Pequenos hábitos, grandes mudanças

Criar rituais aparentemente simples ajuda a educar para promoção da saúde, transformando comportamentos e engajando o paciente na prevenção e no tratamento de doenças 

Arrumar uma mesa linda mesmo quando estou sozinha e tornar a minha refeição um momento de autocuidado é um dos meus rituais prediletos. Também não abro mão de ouvir uma boa música, enquanto tomo uma tacinha de vinho à noite e me besunto de aromas relaxantes de óleos e cremes… Um exagero? Pode até ser. Mas,  para além da estética estão pequenos hábitos agregados que ajudam na promoção da saúde e na prevenção de doenças. 

 

É claro que as pessoas são livres para escolher o que as tornam felizes e saudáveis! Mas acredito que é preciso educar e informar contra escolhas impensadas e prejudiciais. Sem obrigá-las a nada.

 

Isso é promover envelhecimento ativo

 

A teoria já admite que as estratégias de saúde pública não se resumem apenas à ausência de doenças. Então, passa a ser obrigatória uma comunicação para a construção de uma sociedade mais saudável. E diante da atual pandemia da Covid 19, é preciso alertar para outra, ainda mais antiga, que poderá ganhar proporções avassaladoras: a obesidade. 

 

Estudos mostram que o sedentarismo provocado pelo isolamento e a redução de atividade física podem deixar um ônus bem maior do que a gente imagina. Já tratei aqui dos transtornos psicológicos em Sem vacina, é preciso seguir com pequenas doses de liberdade. Há ainda o temor de que um surto de obesidade e doenças cardiovasculares agrave esse cenário. 

 

Isso porque uma queda brusca no nível de condicionamento físico pode ser seguida por um aumento das doenças crônicas. E algumas dessas condições também tornam as pessoas mais propensas a sofrer os efeitos graves da Covid-19, em meio a relatos de segundas ondas de contágio em várias partes do mundo.

 

Do verbo à prática: o desafio de comunicar

 

Eu tenho mantido meus pequenos rituais de autocuidado, mesmo que mais moderados, porque criei o hábito há muitos anos. Faz parte da minha rotina e mesmo quando fica muito difícil é meio automático eu encontrar uma alternativa. Na prática, tenho tido bons resultados não só para mim, mas também para aqueles que vivem ao meu redor.

 

Devagar, o exemplo faz a diferença na vida dos que estão próximos. As mudanças são positivas em todos os aspectos e isso me animou a escrever sobre essa experiência da educação. 

 

Não é algo simples. Nem quando se tem consciência do problema todo é fácil mudar. Mais difícil ainda é encontrar uma forma de se comunicar adequadamente nos diferentes meios e comunidades em que a mensagem precisa chegar. E temos aqui um problemão. 

 

Se as escolhas da maioria são irracionais, há também aquele empurrão da grande indústria que nos leva a consumir grandes quantidades de tudo que não presta. E já é sabido que comer bem não é comer muito, mas com equilíbrio.  

Você tem fome de quê?

 

É claro que sair pra comer fora é bacana, mas por que abandonar os velhos hábitos do feijão com arroz e ovo? Tudo bem que agora temos a polêmica do preço, mas há substitutos como a mandioca e a batata, por exemplo. O que quero dizer é que há certo preconceito cultural ou pelos status que o industrializado traz.  

 

Outro desastre é o que vem escondidinho nas letras miúdas dos rótulos. Sem contar que de uns tempos pra cá as embalagens trazem ali bem disfarçada uma mudança da composição dos produtos. Vide o Leite Ninho que deixou de ser leite para se tornar “composto lácteo” tão discretamente que passou despercebido pela maioria dos mortais. E nem vamos entrar no mérito ou demérito da redução de peso e do aumento de preço, praxe ultimamente. 

 

São vários os absurdos, mas o caso do leite que virou composto lácteo acendeu uma luz vermelha na minha memória. Em 2016 escrevi sobre obesidade infantil para a Revista Problemas Brasileiros e, embora o Casa de Mãe trate sobre longevidade, está tudo entrelaçado. 

Naquela época o cenário já não era bom e nada mudou de lá para cá: uma em cada três crianças brasileiras apresentava excesso de peso e pode carregar esse ônus para a vida adulta, formando uma geração sedentária e doente.  

O Brasil será o país mais obeso do mundo em 2030, segundo a World Obesity Federation, que reúne profissionais e organizações de mais de 50 países. Está claro que a transformação envolve bem mais do que o controle da ingestão de calorias. E depende de todos nós. 

 

Programação metabólica

 

Desde a vida intrauterina até os 2 anos de idade, a história física e mental da criança é programada. Assim, a alimentação da gestante também é decisiva nessa questão.  E já se sabe que quando se fala nos fatores de risco para obesidade, a programação hoje é mais importante do que os genéticos e os ambientais. 

 

Isso porque o quadro pode se perpetuar pela vida adulta. Hoje, mais da metade dos brasileiros está com excesso de peso e nem 10% disso é causado pela genética. É um cenário que contribuiu para alastrar doenças cardiovasculares e diabetes, além de danos psicológicos que podem evoluir para transtornos alimentares, como compulsão e anorexia. 

 

“O problema cresce na medida em que a população reduz o consumo de alimentos básicos e aumenta o consumo de processados”, diz o nutrólogo Hélio Rocha, consultor do movimento Obesidade Infantil NÃO, criado pela Amil em 2014.

 

De acordo com ele, o excesso de peso que se instala na infância torna-se mais difícil de tratar na idade adulta, daí a importância da prevenção.  “Existe de fato um risco de epidemia de obesidade no Brasil. A questão é grave e requer atenção da sociedade, pois 30% das crianças obesas desenvolvem diabetes e outras 30%, doenças cardiocirculatórias”. 

 

Toda cura para quase todo mal

 

Está na atividade física o caminho para quase todos os males. É o que revela estudo da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins.  

Pulicada pelo periódico científico Health Affairs, a pesquisa revela que um aumento de 32% para 50% no número de crianças do ensino fundamental que fazem 25 minutos de atividade física três vezes por semana evitaria o equivalente a R$ 70 bilhões em custos médicos e salários perdidos ao longo de suas vidas por perda de produtividade. 

 “A atividade física não só faz com que as crianças se sintam melhor e as ajuda a desenvolver hábitos saudáveis, mas também é boa para a economia do país”, escreve o líder do estudo, Bruce Y. Lee, diretor executivo do Centro Global de Prevenção à Obesidade da Escola Bloomberg de Saúde Pública. “Nossas descobertas mostram que investir em atividades físicas e ligas esportivas paga grandes dividendos à medida que esses jovens crescem”.

É claro que se trata de um problema real que vai muito além do descascar mais e embalar menos aqui exposto.  Exige abordagem coletiva e estrutural, como ressignificar as práticas alimentares e a alimentação como um fenômeno social, estimulando que a preparação e o compartilhamento de refeições sejam reincorporados ao cotidiano das pessoas. 

 

Ao se estimular novos hábitos também é preciso fazer entender que é melhor investir um pouco mais nos cuidados consigo – com a alimentação – do que com medicamento e reabilitação mais tarde. São pequenas práticas que podem ser assumidas pelo indivíduo e que podem fazer grandes diferenças. 

 

De outro lado, há processos que cabem fundamentalmente ao governo, que é responsável por implementar ações que fogem ao escopo de atuação da população, especialmente aquelas que visam regular as práticas do setor privado comercial que são contrárias à nossa saúde.

Sociedade se acostumou a condenar quem “larga” seu idoso em um asilo

Mas só quem passa por esta experiência sabe quanto delicada é a situação e difícil este caminho. É o que nos conta Eliane Sobral *, na história a seguir. O relato abre uma série de casos da vida real, que vão ilustrar as dores e as delícias do envelhecer.  Acompanhem!

Hoje ela faz 85 anos. E há 56 anos e nove meses estamos juntas. Do passado distante, lembro das unhas sempre compridas e pintadas de vermelho. Ela sempre adorou vermelho. Lembro do batom – aquele de estojinho verde da Avon e do perfume Toque de Amor (que eu usava escondido para ir para a escola). Lembro que sempre foi uma mulher bonita, vaidosa. E, apesar dos poucos recursos dos quais dispúnhamos, estava sempre muito bem arrumada. 

Veio de Pernambuco com 14 anos. A viagem no pau-de-arara durou três dias e três noites, como ela sempre gosta de contar. Chegou em São Paulo sem eira e nem beira. Foi trabalhar de doméstica, chorou de fome e, quando ascendeu profissionalmente, virou metalúrgica. 

Sempre teve em mente que teria sua própria casa para morar e não mais que dois filhos. Acabou adotando a terceira. Lembro de um conjunto de lã verde musgo. Saia e casaquinho com botões grandes nas costas. Lembro também de um vestido florido, também verde, e de um blazer com grandes flores vermelhas que ganhou do meu pai – não sei se no dia das mães ou em um 14 de setembro. O vestido de noiva – lindíssimo – não sobrou nada. Retalhei para fazer roupinhas para as minhas bonecas… 

Sempre foi uma mulher forte e de opinião. Puxou a peixeira para uma vizinha que insistia em chamar sua mais velha, em tom jocoso, de baianinha. Todos na casa rezavam pela sua cartilha e quem quisesse contrariar ou pedir algo, sempre esperava ela acender o cigarro porque aparentava ficar mais calma. 

Não foi mulher de muitos amantes. Mas os que passaram por sua vida, estavam sempre a seus pés. Por medo, respeito e amor. Aqui também era ela quem dava as cartas. 

Quando perdeu o primeiro marido, acusou o golpe, mas não caiu. Com o segundo foi diferente. Não que gostasse mais deste do que daquele. Com o primeiro viveu mais de 30 anos. Com o segundo, não passou dos sete. O primeiro, porém, foi companheiro de batalha, de vida dura, de educar as filhas, dar conta da casa, de pagar as contas. O segundo veio quando ela achava que já tinha cumprido a missão. Daí, só bailes da terceira idade, escapadas para a praia, pizzas às sextas e até um estoque de filmes pornô. 

Quando o segundo se foi, parece ter levado também essa alegria de viver. Não sei se ela se achou velha para começar de novo, se não teve forças para recomeçar – mais uma vez. Fato é que se deixou cair. E nunca mais se levantou. Como os anos não diminuíram seu ímpeto, nem sua personalidade difícil, logo ela se transformou em uma questão a ser administrada pelas filhas. 

Dizem que quando envelhecemos, voltamos a ser criança. Não creio. Porque criança, normalmente, obedece aos mais velhos. Já os mais velhos… Ah, estes! 

Disposta a fazer nada e passar o dia inteiro diante da televisão, logo ela começou a ter dificuldades de locomoção. Inexplicavelmente começou a cair – mas os tombos só aconteciam quando havia alguém por perto para acudir. 

Foi viver com a filha do meio, pelo tempo necessário para se recuperar e voltar para a própria casa. Ficou duas semanas. Não queria fazer fisioterapia, muito menos seguir as recomendações de uma nutricionista. Não se dava também com a empregada que as filhas contrataram para cuidar dela. Enfim, quanto mais o tempo passava, mais caótica ficava a situação. Até que ela própria pediu que procurassem uma casa de saúde, onde ela pudesse se recuperar. 

Depois de inúmeras tentativas, ela parece estar bem na casa atual. Mas em todas, e é bom que se ressalve, em absolutamente todas, é ela que manda prender e manda soltar. As cuidadoras parecem ter um carinho verdadeiro por ela. E os demais internos, claramente, têm medo. Só ela tem uma poltrona exclusiva na sala de TV. E ninguém, em sã ou insana consciência, se atreve a sentar lá, quando ela dá uma saidinha. Fisioterapia, faz quando tem vontade – e quase nunca tem. 

O combinado era ela se empenhar na fisio, na dieta, ficar bem e voltar para a casa dela. Nunca cumpriu. 

Por muito tempo, muito mesmo, convivi com a culpa de ter colocado minha mãe num asilo. E várias vezes ela própria disse que nunca imaginou que, tendo três filhas mulheres, iria parar num asilo. 

Durante muito tempo a culpa foi minha companheira constante. E eu não conseguia assimilar como uma mulher como ela, a chefe da família, a geniosa, a manda chuva, tinha se deixado levar àquele ponto. Demorou muitos anos para que eu entendesse que ela fez as escolhas erradas e pagou por isso. E que, por mais que eu quisesse e tentasse, não a teria feito enxergar de outra forma.

Hoje, percebo que cada um escolhe seu caminho. Que o outro pode alertar, ajudar, indicar atalhos, mas escolha é e será sempre de cada um. Nestes dez anos que ela está num asilo, ou numa casa de repouso, ou numa clínica, como eu e minhas irmãs preferimos chamar, ela nunca ficou sem receber nossa visita.

Minha irmã mais velha vai aos sábados, eu aos domingos. A mais nova vai quando dá. Antes da pandemia, ela vinha sempre passar uns dias na minha casa, especialmente em feriados prolongados. Os passeios também sempre foram constantes. Praia, feijoada na quadra da escola de samba, que ela adora. Enfim, o que está ao nosso alcance e sempre um pouco mais. 

Nos últimos tempos, tenho dito e repetido que se cheguei aonde cheguei, se sou quem eu sou, devo a ela. E agradeço. Percebo que ela fica orgulhosa e com aquele olhar de “missão cumprida”. 

Hoje ela faz 85 anos. Está bem cuidada, saudável, tocando o terror no asilo e sendo paparicada pelas cuidadoras. Custou-me muito ficar com o coração em paz – embora eu ainda me pergunte se fizemos o certo ou não. 

Minha irmã mais velha se incomodava um pouco com o que os outros iam pensar sobre a decisão de colocar nossa mãe num asilo. Não sei se ainda se incomoda. A mim, nunca incomodou. E não incomodará. Porque só ela, eu e as minhas irmãs sabemos da nossa história. 

A mim o que importa é que ela esteja bem. Que tenha sempre a certeza de que ela é o grande amor da minha vida. E que, quando a pandemia passar, eu vou tocar Spyrogiro do Jorge Benjor, que ela ama, sempre que ela entrar no meu carro para gente ir passear.  

*Eliane Sobral, filha do meio da dona Maria do Carmo Barbosa Sobral, que em 14 de setembro de 2020 faz 85 anos, é jornalista e colaboradora do Casa de Mãe.  

Leia também: Como habitarei quando envelhecer?

Pandemia expõe ruído grave na comunicação com idosos

Faltam campanhas que falem com essa parcela da população e ensinem, inclusive, ao profissional da saúde dialogar sobre temas como a disparada do HIV entre os 60+

Por aqui enfrentamos com todos os cuidados mais este “fim de mundo”. E espero sinceramente estar viva para acompanhar o próximo. Mas não é tão simples assim com a comunidade do entorno. Dentro da própria família, muitos insistem em zanzar por aí como se a Covid-19 não pudesse lhes atingir. Hoje cedo mesmo tive um entrevero com um tio 80+, que decidiu visitar os meus pais porque “isso daí é só coisa de outros países”, como ele esbraveja.  É o tipo de atitude que joga todo o esforço de prevenção por terra.

Tenho pai e mãe de 77 e 71 anos, respectivamente. Minha mãe, que serviu de inspiração para muitas pautas desse blog, tem exatamente tudo que esses serezinhos precisam para se proliferar: venceu o câncer, é cardiopata e enfrenta problemas dos sistemas respiratório e renal por conta do mau funcionamento do coração. Enfim, tem dores crônicas e incapacidades funcionais.

Custou um pouco, mas eles entenderam que um dos motivos das complicações serem mais comuns em pessoas acima dos 50 anos é a imunossenescência. Um processo natural do envelhecimento, que diminui a capacidade do sistema imunológico.

Assim, o risco de infecção e possíveis complicações serão sempre maiores, independentemente do novo coronavírus.  Nesse caso, porém, o problema é a velocidade da contaminação, que pode fazer todo mundo ficar doente ao mesmo tempo, provocando uma sobrecarga no atendimento de emergência. 

Na contramão do projeto terapêutico

A mídia de massa, aquela mesma tão criticada, ajuda bastante nessa conscientização, pois é difícil fazê-los aderir a essa batalha global. E mais ainda afastá-los de sua rede de suporte social, sem desconstruir todo o projeto terapêutico desenvolvido justamente com base em atividades coletivas e contato com seus pares.

Circula na internet uma edição da coletiva do ministro da Saúde, Henrique Mandetta, nos pedindo para cuidar nos nossos idosos e isso envolve fazer justamente o contrário do que vinha sendo feito para lhes proporcionar um pouco mais de autonomia e independência.  Não há que se questionar a medida, embora o próprio governo esteja fomentando a confusão. Mas não há nada de efetivo que fale diretamente com eles para nos apoiar nessa missão. E já faz tempo que observo esse quadro.

Cogitou-se investir R$ 4,8 milhões numa campanha contra medidas de isolamento, mas nem um centavo para criar um canal de diálogo com os quase 22 milhões de idosos, sendo 4 milhões deles vivendo sozinhos, segundo o IBGE.

Aliás, na sociedade que começa a perceber o tamanho do Brasil Sênior – e ainda vê apenas um problemão no envelhecimento da população – há muito marketing para os maduros descolados e quase nada para aqueles que enfrentam a senescência fora dos estereótipos.  

Mas em tempos de pandemia, quando especialistas de toda ordem se proliferam num ritmo quase tão contagioso como do novo coronavírus, é preciso lembrar que a velhice é heterogênea, o que a torna uma experiência muito peculiar.  

Então, como melhorar a comunicação com esse público tão diverso?

É evidente que se a tecnologia está a nosso favor, também impõe inúmeros desafios…

Em meio à infestação de lives nas redes sociais, identificar poucos e bons conteúdo, de credibilidade, e garantir o amplo acesso disseminando informações em pontos estratégicos como elevadores, transporte públicos, mercados, farmácias e nas próprias Unidades Básicas de Saúde (UBS), por exemplo, poderia contribuir para criar um diálogo eficiente para além da pandemia.

Pois é pensando no que podemos aprender com ela, que me vem à mente outro vírus que tem acometido a mesma parcela da população. Dados do último boletim epidemiológico HIV / Aids divulgado pelo Ministério da Saúde mostram que no Brasil, nos últimos dez anos, o número de pessoas 60+ com HIV cresceu 103%.

Os fatores são diversos, mas estão relacionados ao comportamento, à vida sexual da população dessa faixa etária. E passam pelo aumento da maior expectativa de vida em geral até a proliferação, nos últimos anos, do uso de medicamentos para disfunção erétil.

Como se trata de uma geração que, muitas vezes, não aderiu à cultura do uso do preservativo, a incidência do HIV tem aumentado muito. E as doenças sexualmente transmissíveis também. Muitas inclusive, preveníveis com exames de rotina, caso do papanicolau. Mas os médicos simplesmente não pedem porque ainda é tabu falar sobre sexo com os mais velhos até para os profissionais da saúde.

“A formação de profissionais de saúde não contempla conteúdos informativos referentes à abordagem da sexualidade na velhice e, de modo geral, temos dificuldade de reconhecer a sexualidade como uma necessidade da vida humana. Daí a dificuldade também em reconhecer esse campo de atuação em nossa prática profissional”, escreve a doutora em Gerontologia Laís Lopes Delfino, em “Revolução da Longevidade e Pluralidade do Envelhecer” (Senac). 

O fato é que, com tanta informação disponível, será que seremos capazes de mudar nosso comportamento?  O que poderíamos aprender com o tsunami de dados que nos arrasta diuturnamente?

Yuval Noah Harari, no capítulo Paradoxo do Conhecimento, de “Homo Deus” (Companhia das Letras), coloca a seguinte questão: “De que vale fazer predições se elas não forem capazes de provocar mudanças ?”

Espero que, ao colocar nosso frágil teto de vidro à prova, a pandemia sirva para abrir nossos olhos e mentes para a necessidade de profundas discussões que desenvolvam políticas públicas para enfrentar o envelhecimento com mais sabedoria em todas as frentes necessárias. Cuidem-se!

E fiquem em casa.

Qual a primeira vez que te inspira ?

O ‘mito de mulherão da porra’ vem daquela mulher independente, que viaja sozinha, faz o que bem entender, paga suas contas, se contenta com a própria companhia, curte a vida do jeito que quer…

Nada parece lhe abalar, ela é inteligente, competente, boa profissional. Tem também um corpão e isso não tem nada a ver com magreza, pois ela se acha linda do jeito que é. Enfim, nada lhe tira a paz de espírito.

Agora fala sério.

Que mulheres se encaixam completamente no padrão ali em cima descrito? Isso é mito.

Até as divas que nos inspiram têm dias de cão.

Imagina a Fernanda Montenegro, do alto de seus bem vividos 89 anos, e tendo de lidar com a repercussão do ataque de um imbecil feito o Roberto Alvim.

Pois é. Nenhuma mulher é todo dia tão forte assim. Nenhum ser humano é assim.  Tem dia que a gente só se sente mesmo um nadica de nada nesse mundão. E não tem problema.

De vez em quando, isso acontece.  

“Vai chorar, vai sofrer, e você não merece. Mas isso acontece”,  já cantava lindamente Cartola!

Num momento delicado como o atual pode ser que isso aconteça com mais frequência. Muitas mulheres ainda estão atravessando a ponte entre o cuidar e o assumir suas vidas nas próprias mãos. E nem sempre é fácil desconstruir conceitos errôneos sobre gênero e –  sobretudo idade – ao longo desse percurso.  

Todo esse estigma ainda pesa muito mais na trajetória feminina e não é papo de mulherzinha. Estudos comprovam, conforme já discutimos aqui em Na questão de sobrevivência as mulheres são o sexo mais forte.

Virando o jogo

Mas ao decidir mudar essa situação, muitas de nós criaram novos negócios e formas alternativas de empreender; trocaram de marcha e turbinaram a carreira, fazendo a diferença para si e para a sociedade.

Tanto é assim que pela primeira vez, a Forbes lança a lista “50 over 50”,  para reconhecer mulheres que inspiram com mais de 50 anos. Uma tendência num mundo que envelhece a passos largos.

E foi inspirada nessa iniciativa que comecei a pensar em como, em pleno 2020, ainda é importante chacoalhar a sociedade para o Dia Internacional da Mulher. Então, fiz uma lista de primeiras vezes que vão sempre me inspirar a mudar e a transgredir quando necessário. 

Ah, só para lembrar, nem todos os feitos importantes precisam estar à altura de uma dupla como Ester Sabino e Jaqueline Goes de Jesus, cientistas que lideraram o sequenciamento do coronavírus. Uma das últimas coisas que fiz pela primeira vez, por exemplo, e extremamente marcante, foi dar banho na minha mãe no hospital. 

Não que não tivesse feito outras coisas libertárias como colocar um piercing aos 40; ou correr a primeira maratona em Roma aos 42; e por aí afora. É que nada se compara àquele momento. 

Uma ocasião que para ela deve ter sido muito constrangedora e, talvez até humilhante (nunca falamos sobre), mas foi capaz de ressignificar minha existência.   Foi ali que decidi voltar para perto e estreitar meus laços familiares, dando vazão a um novo papel de filha e de mulher.

Fácil nunca é. Transformar-se envolve riscos e sempre haverá perdas e ganhos.  O que importa mesmo é que apesar de todos os dias de cão, a nossa coragem de desbravar, explorar, desobstruir não esmoreça.

Confere, então, as primeiras vezes desses mulherões!

#Pela primeira vez, uma mulher realizou o sonho de ser mãe aos 61 anos no interior do Brasil

#Pela primeira vez, Olodum desfilou sob comando de uma mulher

#Pela primeira vez, uma mulher foi empossada presidente do TST

#Pela primeira vez, uma bisavó centenária bate o recorde mundial de natação

#Pela primeira vez, a Grécia elege uma mulher como presidente

#Pela primeira vez, uma mulher é aceita em academia naval do Japão

#Pela primera vez, uma mulher leva o Nobel de Física

E você? Qual foi sua última primeira vez?

Crônica de uma resiliência anunciada

Por Adi Leite *

Estou me sentindo pressionada, me disse uma amiga.

Você não se sente?

Estamos envelhecendo.

Ninguém me trata mais de “você”.

É sempre “senhora”. 

Com licença senhora? 

Senhora, posso ajudar? 

Sem contar quando algum engraçadinho com aquela cara de, porra vou ter que dar o lugar prá essa velha, não ousa oferecer o lugar no metrô.

Hahahahahahaha.

Não é prá rir não. É triste.

O que mais me incomoda?

Hum, estar  envelhecendo incomoda mais.

Você já percebeu que até as palavras usadas estão mudando?

Inovação, disrupção, impacto e infinitas outras, parecem ter saído de uma caixa escondida embaixo da cama de um escritor de dicionários frustrado. De repente alguém descobriu e resolveu libertá-las e aí virou essa loucura, todo mundo fica repetindo. Parece coisa de criança, sabe?

Não.

Não? Sabe quando criança aprende uma palavra e fica repetindo o dia inteiro?

Meu filho ficava repentindo ombedi, ombedi, ombedi, ombedi, e ninguém sabia o que era, um dia andando na rua ele aponta para um ônibus e fala ombedi.

Agora parece a mesma coisa. Disrupção prá lá, impactar prá cá. 

E o saco é que temos que aprender isso para não parecermos ignorantes.

Aprendendo coisas novas?

Humpf! Prá que eu preciso aprender coisas novas se eu estou ficando velha?

Meu corpo mudou. Meu cabelo mudou. 

A maneira como meu corpo se relaciona com o mundo mudou. A maneira como o mundo se relaciona com o meu corpo também mudou.

Não, não estou triste com isso.

Estou com medo.

Vira e mexe algum amigo me diz que eu preciso me reinventar. 

Já fiz isso algumas vezes nos últimos cinco anos. 

Desisti da última reinvenção no meio do caminho.

Me disseram que eu tinha que ser mais resiliente.

RESILIENTE?

WHATAHELL????

O que eu ia fazer que desisti no meio?

Me disseram que eu deveria ser influencer digital.

E fazer um esforço desumano para ter um milhão de pessoas me seguindo.

Surtei. Prá que ter um milhão de pessoas me seguindo? 

Nunca gostei disso. Nunca gostei de dar satisfação da minha vida para ninguém. Já pensou que horror. Um milhão de pessoas te seguindo, sabendo tudo que você come, com quem você se encontra e além de tudo podendo opinar a respeito?

Credo, que horror!

Não quero ser influencer digital.

Será que não dá pra ser apenas eu?

Só quero escrever sobre o que penso e gosto, afinal, escrever foi a maneira com que eu construí a minha vida pessoal, financeira e profissional, pelo menos até agora.

Essa coisa de influencer me faz pensar que nunca mais poderei ser livre.

Não quero contar para meus seguidores o que eu estou comendo. Acho no mínimo deselegante.

Se eu estou em crise? 

Na verdade estou pensando sobre a passagem de tempo, só isso.

Quer dizer, não é só isso.

Esses dias em uma rede social vi um texto que oferecia uma forma de lidar com o envelhecimento em dez lições.

Desconfiei. Mesmo assim fui conferir. 

Minha desconfiança subiu cerca de mil por cento.

Como pode haver uma fórmula pré-determinada para lidar com a passagem do tempo?

Uma fórmula em dez lições?

Vivi até agora  cinquenta e cinco anos e não sei se dez lições fariam alguma diferença nesse momento da minha vida.

Não, não estou desacreditando o autor do texto. Sorry.

É que na verdade, o mundo e a vida ficaram tão complexos, mas tão complexos que não consigo acreditar que seguindo uma cartilha eu consiga lidar com essa pressão.

Que pressão? Você não percebe? 

Envelhecer sendo seguido por um milhão de influencers oferecendo  fórmulas mágicas de sucesso. 

Hummm, não dá.

Não, não sou contra. Mas, prá mim não dá.

O que você vai fazer então?

Prá ser sincera, comecei uma pesquisa sobre o significado da palavra RESILIÊNCIA.

O que eu achei?

Faz sentido.

Fiquei viajando que esta palavra poderia ter um formato.

Formato?

Sim, eu poderia ficar repentindo como meu filho fazia: Ombedi, ombedi, ombedi.

No meu caso, resiliência, resiliência, resiliência e que poderia fazer isso imaginando uma porta aberta para apontar meu dedo.

*ADI LEITE é um amigo querido, jornalista, repórter fotográfico, autor da foto que ilustra essa crônica, e diretor da Reativação Insights e Desenvolvimento Humano.

Ouvir sem julgar é uma das práticas mais difíceis da gerontologia

Já tinha um tema pronto na cabeça quando abri o laptop para escrever. Eis que mal havia me sentado e recebo no WhatsApp uma frase de uma amiga querida, que além de ser minha segunda mãe, é um ser humano exemplar à beira dos seus 70 anos: “Quando ficar velha não quero parecer mais jovem. Quero parecer mais feliz.” O Google credita a colocação à Anna Magnani, atriz italiana de grande sucesso, que morreu em 1973, aos 65 anos.

Foi assim, inspirada por elas, que decidi deixar de lado teorias e estatísticas para contar um pouco mais da minha própria experiência ao estudar a ciência do envelhecimento. Até porque a proposta desta Casa é buscar soluções para o Brasil Sênior a partir de vivências reais. Não que os estudos teóricos não sejam importantes. Não é isso.

Tanto que atualmente estou matriculada em dois cursos: Direito da Pessoa Idosa, pelo IBAM; e Gerontologia, pelo SENAC. Já fiz também Envelhecimento da População, pela Fiocruz. Posso dizer, contudo, que nunca aprendi tanto quanto na minha primeira hora num lar de idosos. É mesmo na prática que se testa o conhecimento, independentemente da área de atuação.

E, para quem já foi repórter como eu, ficou muito claro que se lugar de jornalista é na rua, o de gerontóloga também é. As ruas me contaram detalhes que não constam nos livros. Por isso, gostaria de compartilhar atitudes inspiradoras não só aos que se encontram na velhice como a quem caminha para ela.

Minha proposta é começar pelas histórias que espero ouvir durante meu trabalho na ILPI (Instituição de Longa Permanência para Idosos), o nome politicamente correto que deram para os asilos. Semanalmente me encontrarei com os 19 assistidos por lá. Não será tarefa fácil. Eu bem sei.  

Heterogeneidade respeitada

É um trabalho que envolve compreender essas pessoas para planejar algum tipo de intervenção que leve um pouco mais de bem-estar, alegria e, porque não, felicidade a cada uma delas. Sem, contudo, deixar de lado seu passado, respeitando a heterogeneidade. Confesso que esse desafio estava me afligindo, já que para muitos ali é o ponto final.

Mas como a vida não vem como idealizamos, um produto com itens de fábrica, só nos resta agradecer o que nos foi entregue. E essa aflição não demorou a passar. 

Era por volta de 16h no feriado de 15 de novembro quando recebi a ligação de uma colega de turma do IBAM. Era Marilza, pedagoga, do Rio, 65 anos, diversos cursos na área do Envelhecimento e muita disposição em ajudar voluntariamente idosos que não tiveram as mesmas oportunidades que ela.

Escuta compassiva

O quê aprendi nessa hora de papo, ouvindo a Marilza? Que nem sempre é preciso tanto estudo quando existe disposição para se envolver. Às vezes, um ouvido compassivo basta.

Ouvir sem julgar pode ser a melhor intervenção quando não há mais muito a se fazer. Às vezes, surte muito mais resultado do que esse monte de regras prontas que infligimos principalmente aos nossos familiares que enfrentam essa fase da vida.

Assim, a minha teoria inicial, que seria comprovar o benefício da implantação de uma ação imposta qualquer, caiu por terra. Creio que nada será mais válido do que eles me contarem suas histórias e me mostrarem, por meio delas, o que desejam para si. A mim, cabe simplesmente emprestar meu ouvido.