O direito de ir e vir sob a ótica da Gerontologia

Envelhecer reduz de forma incontestável nossas capacidades físicas e funções fisiológicas.  E por óbvio que pareça, as pessoas com outras deficiências, agregam a isto, o fato de envelhecer, com tudo o que isto implica. Portanto, ser um idoso ativo, independente e autônomo, é um privilégio nem sempre ao alcance de todos. Assim, o enfrentamento da transição demográfica, pela qual o Brasil atravessa, precisa necessariamente passar pelo debate ao direito de ir e vir.

Segundo o último Censo Demográfico, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população idosa já é o grupo que mais cresce no Brasil, cerca de 4% ao ano. As projeções populacionais apontam que, em 2031, o número de idosos do país (43,2 milhões) vai superar pela primeira vez o número de crianças e adolescentes, de 0 a 14 anos (42,3 milhões). E, ainda de acordo com o IBGE, mais de 60% dos idosos brasileiros apontaram ter algum tipo de deficiência. Ou seja, uma parcela que não pode ser ignorada.

E, como a perda de algumas funcionalidades é comum no processo de envelhecimento, o Estatuto do Idoso considera que esse grupo da população deve ter preferência na destinação de políticas públicas e recursos para garantia de seus direitos. Além disso, a população idosa é considerada especialmente vulnerável pela Lei Brasileira de Inclusão.

Questões interseccionais

Não à toa, políticas e serviços que oferecem recursos de acessibilidade às pessoas com deficiência também atendem algumas das demandas dos idosos, uma vez que contribuem com o acesso à informação e com a inclusão social deste grupo.

Trazer esse tema para reflexão sob o olhar da Gerontologia não ocorre por acaso. Não tem muito tempo um artigo publicado pela Folha de São Paulo previa a morte do mercado de carros para Pessoas com Deficiência (PCD), no País.

Um carro automático não é luxo quando pode prevenir Lesões por Esforço Repetitivo (LER), por exemplo. São alternativas de prevenção ao agravamento de doenças que podem levar a limitações e até tirar a mobilidade, alterando a qualidade de vida. E aqui não cabe julgamento moral. Não se pode determinar se uma deficiência é maior ou menor e o quanto vai se agravar com o passar do tempo.

Mas é fato que a questão do carro é apenas um dos vieses do problema. Vide o outro lado: a dificuldade de um pedestre idoso que não consegue atravessar a rua no semáforo pelo tempo insuficiente. No sistema de transporte coletivo, então, nem se fala. Os 60+ conseguiram o passe livre, mas muitos não dão conta de subir no ônibus; aprenderam a usar a internet, mas a acessibilidade digital ainda é discurso para inglês ver, como se diz.

“Para falar do direito de ir e vir é preciso, primeiramente, dar acesso à informação”, diz a consultora Mara Ligia Kiefer, líder de Projetos de Inclusão da Somar Diversidade. “A indústria hoje, de modo geral, produz para uma sociedade estereotipada dentro de um padrão de normalidade homogêneo.”

Ao não levar em conta a diversidade da população real, o mercado e o Estado excluem pessoas de baixa estatura, de estatura elevada, gestantes, obesas, muito magras, com deficiência motora, auditiva e visual. Essas três últimas, por exemplo, são funcionalidades que são seriamente comprometidas com a senescência.

Não se trata aqui de criar um mercado para idoso, como muito se fala, mas de tirar do papel o conceito de desenho universal, projeto de produtos, serviços e ambientes que possam ser usados por todos.  Isso sim garantiria que todos fossem contemplados dentro de suas singularidades e incluídos na sociedade.

Rachel Cardoso é jornalista e gerontóloga

O mundo envelhece. Precisamos rejuvenescer conceitos.

É preciso reformular a noção de velhice associada à decrepitude, para uma fase de novas conquistas, desenvolvimento cognitivo, produção social e cultural

Mara Lúcia Madureira*

A humanidade está envelhecendo. O número de pessoas com 60 anos, ou mais, é crescente no mundo todo. No Brasil, o estigma sobre o envelhecimento, ainda, existe e reflete uma noção equivocada, associada a incapacidades física e cognitiva, improdutividade, doenças, ausência de papéis sociais e interesse sexual, solidão e dependência.

O conceito de velhice é um constructo social, temporal e contraditório. Nas sociedades ocidentais, a supervalorização do novo, produtivo e independente, em detrimento do velho, ultrapassado e fora de moda, é parte das estratégias de consumo. A mesma cultura que preconiza a longevidade e tecnologias para prevenir doenças, nega, ao idoso, seu real valor. O paradoxo é viver mais, sem envelhecer ou parecer velho.

Os estereótipos da velhice são piores do que a realidade. O preconceito é reforçado pelos próprios idosos que não se reconhecem ou se admitem velhos. Envelhecer é uma experiência exclusiva. O modo de vida implica, positiva ou negativamente, na velhice.

O uso de expressões como “melhor idade” e “terceira idade”, mascara o preconceito e nega a realidade. Envelhecer é aceitar-se e orgulhar-se dos muitos anos vividos, das conquistas e realizações.

A velhice pode e deve ser agradável e desejável.

A maioria dos idosos é saudável e independente. Doenças crônicas, na velhice, iniciam e se desenvolvem bem antes dessa fase. Alterações hormonais e mudanças no organismo são comuns, mas não significam perda do interesse ou impossibilidade de uma vida sexual ativa e gratificante.

Problemas de memória podem ser evitados com práticas contínuas de leitura, atividades intelectuais e novos aprendizados. Os vínculos de amizade são fundamentais na velhice. Um bom planejamento financeiro, na juventude, representa uma aposentadoria confortável. A saúde e o bem-estar, na velhice, dependem do modo como se vive e se administra as fases anteriores.

Envelhecer é um processo complexo de realidades próprias, não generalizáveis. Envolve aspectos biológicos, cronológicos, psicológicos, sociais e culturais. Não significa limitação ou incapacidade. Doença não é normal. Pessoas idosas saudáveis são funcionais e produtivas. O declínio cognitivo não se deve à velhice, mas, ao desuso, a doenças como depressão, abuso de álcool, medicamentos e outras drogas, à solidão e ao isolamento. Envelhecer contempla os anos vividos, a história pessoal, as condições físicas e psicossociais. Marcadores cronológicos e biológicos são relativos e subjetivos. Não há perdas na velhice, mas transformações, aquisição de saberes, evolução.

É preciso reformular a noção de velhice associada à decrepitude, para uma fase de novas conquistas, desenvolvimento cognitivo, produção social e cultural. A sociedade deve respeito e valorização ao idoso. Experiências e conhecimentos acumulados podem beneficiar aos próprios indivíduos e à sociedade. Não importa a idade, mas o que o indivíduo faz com sua existência e o como a sociedade o trata. A velhice deve ser reconhecida pelos ganhos e transformações.

*Mara Lúcia Madureira é psicóloga cognitivo-comportamental e colabora com o Casa de Mãe.

Envelhecer é uma conquista

No Dia Internacional do Idoso, é preciso ressaltar necessidade de políticas públicas e celebrar a longevidade

Por Marília Viana Berzins*

Há grandes avanços nas políticas públicas de proteção social ao idoso no Brasil. Tais avanços foram definidos na Constituição de 1988, que ofereceu aos cidadãos regras e princípios até então distantes da maioria absoluta da população.

São exemplos destas conquistas, aquelas que estão referidas nas políticas de seguridade social, ou seja, previdência, assistência social e saúde. São políticas estruturantes na defesa das condições de vida de quem mais precisa da presença e proteção do Estado. Entretanto, devido às questões de desigualdade social e econômica predominante no cenário nacional, nem todos os brasileiros são contemplados nas suas necessidades integrais e muitos ainda vivem na precariedade e exclusão social.

O Brasil, através dos seus municípios, tem um marco legal bem avançado para atender e proteger a população idosa, mas na prática, age como se fosse ainda um país jovem. É um país que ainda não se comprometeu com a demanda deste segmento etário.

Eis aí um desafio. O país precisa se preparar hoje para responder as necessidades da população idosa que já é presente, como também se preparar adequadamente para receber a que está envelhecendo e que terá um impacto muito grande na vida social, sobretudo na política de cuidados de média, curta e longa duração.

O Sistema de Garantia de Direitos, composto pelo conjunto de políticas públicas e sociais, incluindo, por exemplo, o SUS – Sistema Único de Saúde; e o SUAS – Sistema Único de Assistência Social é o instrumento do Estado para garantir direitos. Só que vivemos num Estado de desproteção social na medida em que o Estado brasileiro não garante aos cidadãos idosos o acesso gratuito e universal às políticas já consolidadas no sistema, que deveriam proteger os cidadãos mais vulneráveis. Ou seja, as proteções sociais não estão dando conta de atender a população idosa. Preocupa-nos transformar a conquista da longevidade em problema social, como tem sido evidenciado no discurso de economistas e gestores públicos.

Temos muitos desafios a serem vencidos quando pensamos em políticas públicas e sociais para a população que envelhece. O modelo público de política pública ainda se fundamenta no familismo.

Tais práticas se expressam principalmente na política de assistência social e se caracteriza na família como pilar central, como foco principal da ação, tomando-a como espaço privilegiado de proteção dos seus membros, independente do seu modelo. Ao Estado, cabe intervir somente quando a família falha.

Além de dar a família o principal papel de cuidar da pessoa idosa, o modelo familista reforça a desigualdade de gênero, à medida que sobrecarrega a responsabilidade da mulher na proteção da sua família, sem o devido amparo do Estado.

O futuro do Brasil é a velhice! E o que o Brasil precisa é de políticas públicas para atender seus cidadãos idosos.

Se tivéssemos no território nacional, a partir dos entes federados, União, Estados, Distrito Federal e dos 5.570 municípios a efetiva implantação do que já está previsto no marco legal, incluído o Estatuto do Idoso, já seria um grande avanço. Precisamos sim, de políticas de Estado para as pessoas idosas e não políticas de governo que podem se equivocar, inclusive quanto a autonomia das pessoas idosas, que podem desejar morar ou não como suas famílias.

Por um Brasil que reconheça a velhice como conquista social da humanidade. Envelhecer com dignidade, direito humano fundamental.

*Marília Viana Berzins é doutora em Saúde Pública, mestre em Gerontologia Social e presidente do OLHE.

Pequenos hábitos, grandes mudanças

Criar rituais aparentemente simples ajuda a educar para promoção da saúde, transformando comportamentos e engajando o paciente na prevenção e no tratamento de doenças 

Arrumar uma mesa linda mesmo quando estou sozinha e tornar a minha refeição um momento de autocuidado é um dos meus rituais prediletos. Também não abro mão de ouvir uma boa música, enquanto tomo uma tacinha de vinho à noite e me besunto de aromas relaxantes de óleos e cremes… Um exagero? Pode até ser. Mas,  para além da estética estão pequenos hábitos agregados que ajudam na promoção da saúde e na prevenção de doenças. 

 

É claro que as pessoas são livres para escolher o que as tornam felizes e saudáveis! Mas acredito que é preciso educar e informar contra escolhas impensadas e prejudiciais. Sem obrigá-las a nada.

 

Isso é promover envelhecimento ativo

 

A teoria já admite que as estratégias de saúde pública não se resumem apenas à ausência de doenças. Então, passa a ser obrigatória uma comunicação para a construção de uma sociedade mais saudável. E diante da atual pandemia da Covid 19, é preciso alertar para outra, ainda mais antiga, que poderá ganhar proporções avassaladoras: a obesidade. 

 

Estudos mostram que o sedentarismo provocado pelo isolamento e a redução de atividade física podem deixar um ônus bem maior do que a gente imagina. Já tratei aqui dos transtornos psicológicos em Sem vacina, é preciso seguir com pequenas doses de liberdade. Há ainda o temor de que um surto de obesidade e doenças cardiovasculares agrave esse cenário. 

 

Isso porque uma queda brusca no nível de condicionamento físico pode ser seguida por um aumento das doenças crônicas. E algumas dessas condições também tornam as pessoas mais propensas a sofrer os efeitos graves da Covid-19, em meio a relatos de segundas ondas de contágio em várias partes do mundo.

 

Do verbo à prática: o desafio de comunicar

 

Eu tenho mantido meus pequenos rituais de autocuidado, mesmo que mais moderados, porque criei o hábito há muitos anos. Faz parte da minha rotina e mesmo quando fica muito difícil é meio automático eu encontrar uma alternativa. Na prática, tenho tido bons resultados não só para mim, mas também para aqueles que vivem ao meu redor.

 

Devagar, o exemplo faz a diferença na vida dos que estão próximos. As mudanças são positivas em todos os aspectos e isso me animou a escrever sobre essa experiência da educação. 

 

Não é algo simples. Nem quando se tem consciência do problema todo é fácil mudar. Mais difícil ainda é encontrar uma forma de se comunicar adequadamente nos diferentes meios e comunidades em que a mensagem precisa chegar. E temos aqui um problemão. 

 

Se as escolhas da maioria são irracionais, há também aquele empurrão da grande indústria que nos leva a consumir grandes quantidades de tudo que não presta. E já é sabido que comer bem não é comer muito, mas com equilíbrio.  

Você tem fome de quê?

 

É claro que sair pra comer fora é bacana, mas por que abandonar os velhos hábitos do feijão com arroz e ovo? Tudo bem que agora temos a polêmica do preço, mas há substitutos como a mandioca e a batata, por exemplo. O que quero dizer é que há certo preconceito cultural ou pelos status que o industrializado traz.  

 

Outro desastre é o que vem escondidinho nas letras miúdas dos rótulos. Sem contar que de uns tempos pra cá as embalagens trazem ali bem disfarçada uma mudança da composição dos produtos. Vide o Leite Ninho que deixou de ser leite para se tornar “composto lácteo” tão discretamente que passou despercebido pela maioria dos mortais. E nem vamos entrar no mérito ou demérito da redução de peso e do aumento de preço, praxe ultimamente. 

 

São vários os absurdos, mas o caso do leite que virou composto lácteo acendeu uma luz vermelha na minha memória. Em 2016 escrevi sobre obesidade infantil para a Revista Problemas Brasileiros e, embora o Casa de Mãe trate sobre longevidade, está tudo entrelaçado. 

Naquela época o cenário já não era bom e nada mudou de lá para cá: uma em cada três crianças brasileiras apresentava excesso de peso e pode carregar esse ônus para a vida adulta, formando uma geração sedentária e doente.  

O Brasil será o país mais obeso do mundo em 2030, segundo a World Obesity Federation, que reúne profissionais e organizações de mais de 50 países. Está claro que a transformação envolve bem mais do que o controle da ingestão de calorias. E depende de todos nós. 

 

Programação metabólica

 

Desde a vida intrauterina até os 2 anos de idade, a história física e mental da criança é programada. Assim, a alimentação da gestante também é decisiva nessa questão.  E já se sabe que quando se fala nos fatores de risco para obesidade, a programação hoje é mais importante do que os genéticos e os ambientais. 

 

Isso porque o quadro pode se perpetuar pela vida adulta. Hoje, mais da metade dos brasileiros está com excesso de peso e nem 10% disso é causado pela genética. É um cenário que contribuiu para alastrar doenças cardiovasculares e diabetes, além de danos psicológicos que podem evoluir para transtornos alimentares, como compulsão e anorexia. 

 

“O problema cresce na medida em que a população reduz o consumo de alimentos básicos e aumenta o consumo de processados”, diz o nutrólogo Hélio Rocha, consultor do movimento Obesidade Infantil NÃO, criado pela Amil em 2014.

 

De acordo com ele, o excesso de peso que se instala na infância torna-se mais difícil de tratar na idade adulta, daí a importância da prevenção.  “Existe de fato um risco de epidemia de obesidade no Brasil. A questão é grave e requer atenção da sociedade, pois 30% das crianças obesas desenvolvem diabetes e outras 30%, doenças cardiocirculatórias”. 

 

Toda cura para quase todo mal

 

Está na atividade física o caminho para quase todos os males. É o que revela estudo da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins.  

Pulicada pelo periódico científico Health Affairs, a pesquisa revela que um aumento de 32% para 50% no número de crianças do ensino fundamental que fazem 25 minutos de atividade física três vezes por semana evitaria o equivalente a R$ 70 bilhões em custos médicos e salários perdidos ao longo de suas vidas por perda de produtividade. 

 “A atividade física não só faz com que as crianças se sintam melhor e as ajuda a desenvolver hábitos saudáveis, mas também é boa para a economia do país”, escreve o líder do estudo, Bruce Y. Lee, diretor executivo do Centro Global de Prevenção à Obesidade da Escola Bloomberg de Saúde Pública. “Nossas descobertas mostram que investir em atividades físicas e ligas esportivas paga grandes dividendos à medida que esses jovens crescem”.

É claro que se trata de um problema real que vai muito além do descascar mais e embalar menos aqui exposto.  Exige abordagem coletiva e estrutural, como ressignificar as práticas alimentares e a alimentação como um fenômeno social, estimulando que a preparação e o compartilhamento de refeições sejam reincorporados ao cotidiano das pessoas. 

 

Ao se estimular novos hábitos também é preciso fazer entender que é melhor investir um pouco mais nos cuidados consigo – com a alimentação – do que com medicamento e reabilitação mais tarde. São pequenas práticas que podem ser assumidas pelo indivíduo e que podem fazer grandes diferenças. 

 

De outro lado, há processos que cabem fundamentalmente ao governo, que é responsável por implementar ações que fogem ao escopo de atuação da população, especialmente aquelas que visam regular as práticas do setor privado comercial que são contrárias à nossa saúde.