Confronto com novos desafios ajuda a manter a saúde do cérebro

Durante os Jogos Olímpicos em Tóquio, no Japão, o caso da ginasta norte-americana, Simone Biles, que desistiu de competir por causa de um desiquilíbrio emocional causou polêmica e chamou atenção para o que já é considerada a próxima pandemia: os transtornos mentais. Há um certo preconceito quando o assunto são doenças neurodegenerativas e psicológicas, mas a saúde da mente é questão de política pública. Hoje, a maior parte das pessoas sofre de algum transtorno desse tipo. E, com o aumento da população idosa, o quadro de incidência de demências deve se agravar. A boa notícia é que dá para prevenir.

Dados de estudos epidemiológicos realizados em seis países da América Latina, incluindo o Brasil, demonstram os casos de demências atingem mais de 7% dos idosos. É uma taxa considerada alta por pesquisadores e especialistas. No entanto, segue tendência mundial; nos países europeus, fica entre 5% e 10%. O que chama a atenção é que o percentual cresce muito à medida que sobem as faixas de idade na velhice. Ou seja, o índice de demência, que é de 2,9% em pessoas de 65 a 69 anos, pula para 33% a partir dos 90 anos, quando um em cada três pode desenvolver doenças neurológicas.

Mas que medidas podemos tomar para proteger nosso cérebro já que se tratam de deficiências muitas vezes invisíveis?

Fatores de risco são diversos

Para se ter uma ideia, a Síndrome de Burnout atinge cerca de 32% dos trabalhadores brasileiros, o equivalente a 33 milhões de pessoas, segundo pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que analisou o impacto da pandemia e do isolamento social na saúde mental de profissionais essenciais. O que tem levado a outro problema que é o abuso de bebidas alcoólicas.

Outro dado alarmante vem da Organização Mundial da Saúde, que dá conta de mais de 11 milhões de pessoas no Brasil com depressão. Estima, ainda, que até 2030, essa será a doença mais comum no País.

Todos são fatores considerados de risco para a incidência de doenças como o Alzheimer. Estudos mostram que figuram com destaque – isolados ou combinados: a diabetes, a hipertensão e a obesidade na meia idade, o sedentarismo, a depressão, o tabagismo e o baixo nível educacional.  Vale aqui destacar que o Alzheimer é apenas um dos diversos tipos de demência. Há ainda a vascular, a de Parkinson, a senil, a frontotemporal, a de Pick, a com corpos de Lewy, e, por último, mas não menos grave, por álcool.

As freiras de Notre Dame

Então, é claro que tudo isso conta no prontuário de cada um, mas o melhor indício de como proteger nosso cérebro vem de uma pesquisa histórica, realizado por David Snowdon, professor de neurologia na Universidade de Kentucky. Conhecido como Estudos da Freiras de Notre Dame, foi realizado em 1986 com quase 700 irmãs que doaram seus corpos à Ciência.

O que fez este grupo de participantes da pesquisa tão especial foi a semelhança particular com a qual todas tinham levado suas vidas – nenhuma delas fumava, nenhuma bebeu excessivamente, nenhuma teve parceiros e todas tiveram uma rotina significativa. No mundo da ciência, para se ter tantos participantes com aproximadamente as mesmas variáveis de controle é uma verdadeira dádiva de Deus, e quase impossível de replicar.

A lição mais surpreendente do estudo é que as freiras que usaram seus cérebros várias vezes por dia para ler, escrever, pensar e analisar – eram menos prováveis a sucumbir à doença de Alzheimer. A conclusão que se tira é que as pessoas que se estimulam intelectualmente e buscam aprendizado constante terão uma melhor chance de afastar a demência.

Então, o que você está esperando para começar a exercitar sua mente?

Não pense que vai demorar para sentir os primeiros impactos. A partir dos 35 anos, nossa velocidade de processamento diminui, então algumas pessoas podem perceber já por volta dessa idade os primeiros sinais de esquecimento ou demora para se lembrar de alguma informação

É por isso que não se pode deixar a mente de fora da rotina de exercícios. Vale palavras cruzadas, sudoku, xadrez e outros jogos que provoquem o intelecto, incluindo o videogame. Mas se você já está habituado a alguma dessas atividades, busque outras.

Aquele friozinho na barriga

Preservamos o cérebro por mais tempo quando somos confrontados constantemente com novos desafios. Sabe aquele friozinho no estômago associado ao medo do novo, ao que é inerente a novas possibilidades? É disso que se trata!

Aprender sempre. Eis a melhor fórmula para reverter a perda cognitiva. Isso vai garantir agilidade na adaptação não só a essas alterações provocadas pelo envelhecimento, mas também pelas mudanças de um planeta em constante transformação. Afinal, todos os dias somos atropelados pelas notícias sobre o futuro na era da revolução tecnológica e, por isso mesmo, é melhor que a nossa mente esteja apta e bem aberta para enfrentar esse novo mundo.

É questão de sobrevivência, mas é também questão de sanidade mental.

Leia também: Depressão é a principal causa de suicídio entre idosos

 

 

O mundo envelhece. Precisamos rejuvenescer conceitos.

É preciso reformular a noção de velhice associada à decrepitude, para uma fase de novas conquistas, desenvolvimento cognitivo, produção social e cultural

Mara Lúcia Madureira*

A humanidade está envelhecendo. O número de pessoas com 60 anos, ou mais, é crescente no mundo todo. No Brasil, o estigma sobre o envelhecimento, ainda, existe e reflete uma noção equivocada, associada a incapacidades física e cognitiva, improdutividade, doenças, ausência de papéis sociais e interesse sexual, solidão e dependência.

O conceito de velhice é um constructo social, temporal e contraditório. Nas sociedades ocidentais, a supervalorização do novo, produtivo e independente, em detrimento do velho, ultrapassado e fora de moda, é parte das estratégias de consumo. A mesma cultura que preconiza a longevidade e tecnologias para prevenir doenças, nega, ao idoso, seu real valor. O paradoxo é viver mais, sem envelhecer ou parecer velho.

Os estereótipos da velhice são piores do que a realidade. O preconceito é reforçado pelos próprios idosos que não se reconhecem ou se admitem velhos. Envelhecer é uma experiência exclusiva. O modo de vida implica, positiva ou negativamente, na velhice.

O uso de expressões como “melhor idade” e “terceira idade”, mascara o preconceito e nega a realidade. Envelhecer é aceitar-se e orgulhar-se dos muitos anos vividos, das conquistas e realizações.

A velhice pode e deve ser agradável e desejável.

A maioria dos idosos é saudável e independente. Doenças crônicas, na velhice, iniciam e se desenvolvem bem antes dessa fase. Alterações hormonais e mudanças no organismo são comuns, mas não significam perda do interesse ou impossibilidade de uma vida sexual ativa e gratificante.

Problemas de memória podem ser evitados com práticas contínuas de leitura, atividades intelectuais e novos aprendizados. Os vínculos de amizade são fundamentais na velhice. Um bom planejamento financeiro, na juventude, representa uma aposentadoria confortável. A saúde e o bem-estar, na velhice, dependem do modo como se vive e se administra as fases anteriores.

Envelhecer é um processo complexo de realidades próprias, não generalizáveis. Envolve aspectos biológicos, cronológicos, psicológicos, sociais e culturais. Não significa limitação ou incapacidade. Doença não é normal. Pessoas idosas saudáveis são funcionais e produtivas. O declínio cognitivo não se deve à velhice, mas, ao desuso, a doenças como depressão, abuso de álcool, medicamentos e outras drogas, à solidão e ao isolamento. Envelhecer contempla os anos vividos, a história pessoal, as condições físicas e psicossociais. Marcadores cronológicos e biológicos são relativos e subjetivos. Não há perdas na velhice, mas transformações, aquisição de saberes, evolução.

É preciso reformular a noção de velhice associada à decrepitude, para uma fase de novas conquistas, desenvolvimento cognitivo, produção social e cultural. A sociedade deve respeito e valorização ao idoso. Experiências e conhecimentos acumulados podem beneficiar aos próprios indivíduos e à sociedade. Não importa a idade, mas o que o indivíduo faz com sua existência e o como a sociedade o trata. A velhice deve ser reconhecida pelos ganhos e transformações.

*Mara Lúcia Madureira é psicóloga cognitivo-comportamental e colabora com o Casa de Mãe.

Sociedade se acostumou a condenar quem “larga” seu idoso em um asilo

Mas só quem passa por esta experiência sabe quanto delicada é a situação e difícil este caminho. É o que nos conta Eliane Sobral *, na história a seguir. O relato abre uma série de casos da vida real, que vão ilustrar as dores e as delícias do envelhecer.  Acompanhem!

Hoje ela faz 85 anos. E há 56 anos e nove meses estamos juntas. Do passado distante, lembro das unhas sempre compridas e pintadas de vermelho. Ela sempre adorou vermelho. Lembro do batom – aquele de estojinho verde da Avon e do perfume Toque de Amor (que eu usava escondido para ir para a escola). Lembro que sempre foi uma mulher bonita, vaidosa. E, apesar dos poucos recursos dos quais dispúnhamos, estava sempre muito bem arrumada. 

Veio de Pernambuco com 14 anos. A viagem no pau-de-arara durou três dias e três noites, como ela sempre gosta de contar. Chegou em São Paulo sem eira e nem beira. Foi trabalhar de doméstica, chorou de fome e, quando ascendeu profissionalmente, virou metalúrgica. 

Sempre teve em mente que teria sua própria casa para morar e não mais que dois filhos. Acabou adotando a terceira. Lembro de um conjunto de lã verde musgo. Saia e casaquinho com botões grandes nas costas. Lembro também de um vestido florido, também verde, e de um blazer com grandes flores vermelhas que ganhou do meu pai – não sei se no dia das mães ou em um 14 de setembro. O vestido de noiva – lindíssimo – não sobrou nada. Retalhei para fazer roupinhas para as minhas bonecas… 

Sempre foi uma mulher forte e de opinião. Puxou a peixeira para uma vizinha que insistia em chamar sua mais velha, em tom jocoso, de baianinha. Todos na casa rezavam pela sua cartilha e quem quisesse contrariar ou pedir algo, sempre esperava ela acender o cigarro porque aparentava ficar mais calma. 

Não foi mulher de muitos amantes. Mas os que passaram por sua vida, estavam sempre a seus pés. Por medo, respeito e amor. Aqui também era ela quem dava as cartas. 

Quando perdeu o primeiro marido, acusou o golpe, mas não caiu. Com o segundo foi diferente. Não que gostasse mais deste do que daquele. Com o primeiro viveu mais de 30 anos. Com o segundo, não passou dos sete. O primeiro, porém, foi companheiro de batalha, de vida dura, de educar as filhas, dar conta da casa, de pagar as contas. O segundo veio quando ela achava que já tinha cumprido a missão. Daí, só bailes da terceira idade, escapadas para a praia, pizzas às sextas e até um estoque de filmes pornô. 

Quando o segundo se foi, parece ter levado também essa alegria de viver. Não sei se ela se achou velha para começar de novo, se não teve forças para recomeçar – mais uma vez. Fato é que se deixou cair. E nunca mais se levantou. Como os anos não diminuíram seu ímpeto, nem sua personalidade difícil, logo ela se transformou em uma questão a ser administrada pelas filhas. 

Dizem que quando envelhecemos, voltamos a ser criança. Não creio. Porque criança, normalmente, obedece aos mais velhos. Já os mais velhos… Ah, estes! 

Disposta a fazer nada e passar o dia inteiro diante da televisão, logo ela começou a ter dificuldades de locomoção. Inexplicavelmente começou a cair – mas os tombos só aconteciam quando havia alguém por perto para acudir. 

Foi viver com a filha do meio, pelo tempo necessário para se recuperar e voltar para a própria casa. Ficou duas semanas. Não queria fazer fisioterapia, muito menos seguir as recomendações de uma nutricionista. Não se dava também com a empregada que as filhas contrataram para cuidar dela. Enfim, quanto mais o tempo passava, mais caótica ficava a situação. Até que ela própria pediu que procurassem uma casa de saúde, onde ela pudesse se recuperar. 

Depois de inúmeras tentativas, ela parece estar bem na casa atual. Mas em todas, e é bom que se ressalve, em absolutamente todas, é ela que manda prender e manda soltar. As cuidadoras parecem ter um carinho verdadeiro por ela. E os demais internos, claramente, têm medo. Só ela tem uma poltrona exclusiva na sala de TV. E ninguém, em sã ou insana consciência, se atreve a sentar lá, quando ela dá uma saidinha. Fisioterapia, faz quando tem vontade – e quase nunca tem. 

O combinado era ela se empenhar na fisio, na dieta, ficar bem e voltar para a casa dela. Nunca cumpriu. 

Por muito tempo, muito mesmo, convivi com a culpa de ter colocado minha mãe num asilo. E várias vezes ela própria disse que nunca imaginou que, tendo três filhas mulheres, iria parar num asilo. 

Durante muito tempo a culpa foi minha companheira constante. E eu não conseguia assimilar como uma mulher como ela, a chefe da família, a geniosa, a manda chuva, tinha se deixado levar àquele ponto. Demorou muitos anos para que eu entendesse que ela fez as escolhas erradas e pagou por isso. E que, por mais que eu quisesse e tentasse, não a teria feito enxergar de outra forma.

Hoje, percebo que cada um escolhe seu caminho. Que o outro pode alertar, ajudar, indicar atalhos, mas escolha é e será sempre de cada um. Nestes dez anos que ela está num asilo, ou numa casa de repouso, ou numa clínica, como eu e minhas irmãs preferimos chamar, ela nunca ficou sem receber nossa visita.

Minha irmã mais velha vai aos sábados, eu aos domingos. A mais nova vai quando dá. Antes da pandemia, ela vinha sempre passar uns dias na minha casa, especialmente em feriados prolongados. Os passeios também sempre foram constantes. Praia, feijoada na quadra da escola de samba, que ela adora. Enfim, o que está ao nosso alcance e sempre um pouco mais. 

Nos últimos tempos, tenho dito e repetido que se cheguei aonde cheguei, se sou quem eu sou, devo a ela. E agradeço. Percebo que ela fica orgulhosa e com aquele olhar de “missão cumprida”. 

Hoje ela faz 85 anos. Está bem cuidada, saudável, tocando o terror no asilo e sendo paparicada pelas cuidadoras. Custou-me muito ficar com o coração em paz – embora eu ainda me pergunte se fizemos o certo ou não. 

Minha irmã mais velha se incomodava um pouco com o que os outros iam pensar sobre a decisão de colocar nossa mãe num asilo. Não sei se ainda se incomoda. A mim, nunca incomodou. E não incomodará. Porque só ela, eu e as minhas irmãs sabemos da nossa história. 

A mim o que importa é que ela esteja bem. Que tenha sempre a certeza de que ela é o grande amor da minha vida. E que, quando a pandemia passar, eu vou tocar Spyrogiro do Jorge Benjor, que ela ama, sempre que ela entrar no meu carro para gente ir passear.  

*Eliane Sobral, filha do meio da dona Maria do Carmo Barbosa Sobral, que em 14 de setembro de 2020 faz 85 anos, é jornalista e colaboradora do Casa de Mãe.  

Leia também: Como habitarei quando envelhecer?

Sem vacina, é preciso seguir com pequenas doses de liberdade

Hoje dei o primeiro passo rumo a minha desquarentenização. Só por hoje não acordei pensando no noticiário dessa gaiola chamada Brasil. Venci o desânimo, o medo, não pensei nas críticas e sai para correr. Tênis no pé e na fuça minha super máscara que vem com sete filtros. Comigo só a minha cãopanheira Frida. Foi importante para organizar as ideias.

Neste momento, tomar as rédeas das emoções e aprender a (se) flexibilizar é fundamental. A vida continua e é preciso retomar os projetos, os sonhos e mais do que nunca usar a tal capacidade de nos reinventar.

Só percebi que havia me perdido no caos do isolamento quando mesmo com todo o suposto tempo da quarentena em casa vi que minha última atualização do blog era do final de abril. Dias iguais, confinamento, mercado, farmácia, e uma vida de avatar na internet…

Menos afazeres, mais cansaço.

Com o tempo correndo nessa toada lenta, imperceptível, talvez tenha me quarentenizado um pouco além da conta.

Não que tratar da longevidade no Casa de Mãe não fosse importante. Mas já havia muita coisa bacana dentro da temática sendo produzida. Então eu (tentei) focar em mim mesma e nos estudos da Gerontologia para apresentar uma boa proposta de projeto de intervenção na conclusão do curso, que acaba já neste semestre. E só isso já foi muito difícil.

Sem grandes inspirações para trazer algo realmente útil para cá, feito com cuidado, acabei por me abster. Também tem certo desassossego que me impede, como antes, de realizar várias atividades ao mesmo tempo.

É no meio desse turbilhão de sentimentos que certas precauções em excesso começam a virar fobias e a impedir a nossa volta à vida de fato. Sim, à vida. Ponto. Porque normal acho que essa vida nunca foi.

Dá para considerar normal uma vida em que uma parte dos brasileiros faz fila para entrar num shopping enquanto outra parte do povo morre numa velocidade descomunal?

Tem certas coisas que só a psicologia explica. Por isso fui buscar ajuda e bater um papo com profissionais para tentar entender esse momento tão ambíguo e tão delicado. Porque não é apenas o vírus que causa desalento.

A exemplo do que acontece no resto do mundo, aqui a crise socioeconômica dá sinais de que vai durar um bom tempo. E tudo isso colabora para um fenômeno psicológico que pode acometer uma parcela da população: o medo de sair de casa.

“É um sentimento de angústia e receio que pode tomar conta mediante a ideia de sair às ruas e retomar o contato social e está relacionado à síndrome da cabana”, conforme explica a psicóloga e hipnoterapeuta Sabrina Amaral. É um efeito observado em outras situações de isolamento de longa duração: expedições no Alasca, períodos longos de hospitalização e encarceramento prolongado, entre outros.

A psicóloga Maria Aparecida (Tina) Junqueira Zampieri, doutora em Ciências da Saúde, explica que síndrome não é bem um nome adequado por não se tratar de uma patologia, mas de uma reação a um confinamento. “É esperado enfrentar alguns sentimentos diferentes, depois de um longo período sem sair de casa. É natural certa dificuldade, certo medo, um estranhamento”, diz.

Divulgação/AI

Tina destaca que isso pode ocorrer em qualquer idade e variar de pessoa para pessoa.

Nos idosos, porém, o quadro pode ser mais acentuado pela questão da fragilidade, por estarem em uma fase de vida em que outras mudanças estão acontecendo simultaneamente e isso colabora para esse sentimento de estranheza. Mas, muitas pessoas jovens também podem experimentar a mesma sensação.

Por que isso acontece?

É como se o nosso cérebro ficasse acostumado a uma nova rotina e aprendesse que estar em casa é a única possibilidade de segurança e proteção. Além disso, tivemos reforçadores positivos de comportamento durante a quarentena: mais tempo para a família, hobbies, estudo e tempo para nós mesmos.

Para as pessoas que têm uma personalidade naturalmente introvertida, isso é ainda mais evidente. Por isso, é importante reforçar a esperança e falar de coisas boas que estão por vir. Das janelas de oportunidades que se abriram e de como as mudanças podem ocorrer a partir das crises, reforça a psicóloga Tina Zampieri.  

Quais são os sintomas?

O sintoma principal é a angústia de sair de casa, acompanhada de medo e ansiedade. Percebe-se ainda certa letargia, falta de motivação, sono excessivo e comportamentos de esquiva para fugir do problema, como compulsão alimentar ou adicções. Notam-se também sintomas cognitivos como falha na memória e dificuldade de concentração.

Tina conta que ela mesma passou por uma situação semelhante e sugere que para se desquarentenizar, o melhor é respeitar o próprio tempo. “Não se obrigar a nada é a melhor saída para voltar a sair”.

5 passos para se desquarentenizar

#Foque no que está ao seu alcance. Crie uma rotina com movimento e que envolva alimentação saudável, exercícios e momentos para sair de casa aos poucos.

#Sem grandes pretensões, coloque metas para administrar a angústia. Um dia após o outro. Primeiro até a padaria, depois uma volta no quarteirão, e assim, sucessivamente.

#Avalie racionalmente seu medo, afinal, não é uma escalada até o Pico da Neblina, é apenas uma volta pela vizinhança.

#Facilite ainda mecanismos para mitigar o medo, como usar roupas e calçados fáceis de tirar, facilitando a higienização na hora de chegar em casa. Tenha um local externo para deixar os calçados e máscaras até serem higienizados.

#É importante não se comparar com os outros, mas sim, consigo mesmo. Se você observar que os comportamentos de esquiva não regridem ou aumentam conforme os dias passam, é importante buscar ajuda.

No mais, não se cobre tanto. Que tal encarar isso como uma fisioterapia psicológica que vai ajudar você a voltar a caminhar depois de um longo período de imobilização?

Com informações do Ciclo de Mutação e do CidadeVerde.com

A Casa da Mãe

Bem-vindos a essa Casa!

Essa história começa juntamente com o verão, no dia 21 de dezembro de 2017. Chovia quando minha casa em São Paulo começou a ser desmontada e levada para a estrada. Eu partia rumo ao interior, de volta para a casa da minha mãe, 25 anos depois de sair de lá, ainda menina.

Como filha única que sou, a vida me levou por uma jornada pelo qual retomar a convivência com meus pais era a única coisa que fazia sentido. Não quero aqui ditar regras sobre como lidar com o problema do envelhecimento da população. A ideia é aprender! Eu venho estudando e tenho produzido conteúdo sobre o assunto há alguns anos e isso deve dar um norte para as minhas ideias.

Mas o que eu gostaria de compartilhar com outros filhos, de verdade, é a dinâmica real do dia a dia, com todo o pedregulho que tenho encontrado. Conflitos farão parte da vida de quem passa ou passará pela mesma situação, visto que teremos uma população com mais de 66 milhões de pessoas idosas em 2050 – o triplo do que existe atualmente. Que tal buscarmos as soluções juntos?