Sem vacina, é preciso seguir com pequenas doses de liberdade

Hoje dei o primeiro passo rumo a minha desquarentenização. Só por hoje não acordei pensando no noticiário dessa gaiola chamada Brasil. Venci o desânimo, o medo, não pensei nas críticas e sai para correr. Tênis no pé e na fuça minha super máscara que vem com sete filtros. Comigo só a minha cãopanheira Frida. Foi importante para organizar as ideias.

Neste momento, tomar as rédeas das emoções e aprender a (se) flexibilizar é fundamental. A vida continua e é preciso retomar os projetos, os sonhos e mais do que nunca usar a tal capacidade de nos reinventar.

Só percebi que havia me perdido no caos do isolamento quando mesmo com todo o suposto tempo da quarentena em casa vi que minha última atualização do blog era do final de abril. Dias iguais, confinamento, mercado, farmácia, e uma vida de avatar na internet…

Menos afazeres, mais cansaço.

Com o tempo correndo nessa toada lenta, imperceptível, talvez tenha me quarentenizado um pouco além da conta.

Não que tratar da longevidade no Casa de Mãe não fosse importante. Mas já havia muita coisa bacana dentro da temática sendo produzida. Então eu (tentei) focar em mim mesma e nos estudos da Gerontologia para apresentar uma boa proposta de projeto de intervenção na conclusão do curso, que acaba já neste semestre. E só isso já foi muito difícil.

Sem grandes inspirações para trazer algo realmente útil para cá, feito com cuidado, acabei por me abster. Também tem certo desassossego que me impede, como antes, de realizar várias atividades ao mesmo tempo.

É no meio desse turbilhão de sentimentos que certas precauções em excesso começam a virar fobias e a impedir a nossa volta à vida de fato. Sim, à vida. Ponto. Porque normal acho que essa vida nunca foi.

Dá para considerar normal uma vida em que uma parte dos brasileiros faz fila para entrar num shopping enquanto outra parte do povo morre numa velocidade descomunal?

Tem certas coisas que só a psicologia explica. Por isso fui buscar ajuda e bater um papo com profissionais para tentar entender esse momento tão ambíguo e tão delicado. Porque não é apenas o vírus que causa desalento.

A exemplo do que acontece no resto do mundo, aqui a crise socioeconômica dá sinais de que vai durar um bom tempo. E tudo isso colabora para um fenômeno psicológico que pode acometer uma parcela da população: o medo de sair de casa.

“É um sentimento de angústia e receio que pode tomar conta mediante a ideia de sair às ruas e retomar o contato social e está relacionado à síndrome da cabana”, conforme explica a psicóloga e hipnoterapeuta Sabrina Amaral. É um efeito observado em outras situações de isolamento de longa duração: expedições no Alasca, períodos longos de hospitalização e encarceramento prolongado, entre outros.

A psicóloga Maria Aparecida (Tina) Junqueira Zampieri, doutora em Ciências da Saúde, explica que síndrome não é bem um nome adequado por não se tratar de uma patologia, mas de uma reação a um confinamento. “É esperado enfrentar alguns sentimentos diferentes, depois de um longo período sem sair de casa. É natural certa dificuldade, certo medo, um estranhamento”, diz.

Divulgação/AI

Tina destaca que isso pode ocorrer em qualquer idade e variar de pessoa para pessoa.

Nos idosos, porém, o quadro pode ser mais acentuado pela questão da fragilidade, por estarem em uma fase de vida em que outras mudanças estão acontecendo simultaneamente e isso colabora para esse sentimento de estranheza. Mas, muitas pessoas jovens também podem experimentar a mesma sensação.

Por que isso acontece?

É como se o nosso cérebro ficasse acostumado a uma nova rotina e aprendesse que estar em casa é a única possibilidade de segurança e proteção. Além disso, tivemos reforçadores positivos de comportamento durante a quarentena: mais tempo para a família, hobbies, estudo e tempo para nós mesmos.

Para as pessoas que têm uma personalidade naturalmente introvertida, isso é ainda mais evidente. Por isso, é importante reforçar a esperança e falar de coisas boas que estão por vir. Das janelas de oportunidades que se abriram e de como as mudanças podem ocorrer a partir das crises, reforça a psicóloga Tina Zampieri.  

Quais são os sintomas?

O sintoma principal é a angústia de sair de casa, acompanhada de medo e ansiedade. Percebe-se ainda certa letargia, falta de motivação, sono excessivo e comportamentos de esquiva para fugir do problema, como compulsão alimentar ou adicções. Notam-se também sintomas cognitivos como falha na memória e dificuldade de concentração.

Tina conta que ela mesma passou por uma situação semelhante e sugere que para se desquarentenizar, o melhor é respeitar o próprio tempo. “Não se obrigar a nada é a melhor saída para voltar a sair”.

5 passos para se desquarentenizar

#Foque no que está ao seu alcance. Crie uma rotina com movimento e que envolva alimentação saudável, exercícios e momentos para sair de casa aos poucos.

#Sem grandes pretensões, coloque metas para administrar a angústia. Um dia após o outro. Primeiro até a padaria, depois uma volta no quarteirão, e assim, sucessivamente.

#Avalie racionalmente seu medo, afinal, não é uma escalada até o Pico da Neblina, é apenas uma volta pela vizinhança.

#Facilite ainda mecanismos para mitigar o medo, como usar roupas e calçados fáceis de tirar, facilitando a higienização na hora de chegar em casa. Tenha um local externo para deixar os calçados e máscaras até serem higienizados.

#É importante não se comparar com os outros, mas sim, consigo mesmo. Se você observar que os comportamentos de esquiva não regridem ou aumentam conforme os dias passam, é importante buscar ajuda.

No mais, não se cobre tanto. Que tal encarar isso como uma fisioterapia psicológica que vai ajudar você a voltar a caminhar depois de um longo período de imobilização?

Com informações do Ciclo de Mutação e do CidadeVerde.com

Aprender na velhice é bom antídoto para doenças mentais

Sabemos que chegar bem à velhice implica em perdas e ganhos. Mas quem aprende a aceitar e a valorizar mais a maturidade tende a enfrentar a senescência com melhor qualidade de vida. Assim, educar as diversas gerações para a compreensão do processo de envelhecimento, marcado por transformações biopsicossociais, é importante instrumento de promoção da longevidade ativa com tudo que a compõe, inclusive saúde mental.

Já é sabido que fatores como o acesso à educação, condição socioeconômica e gênero influenciam a velhice. Por isso, estimular o desenvolvimento de competências e recursos para o enfrentamento das vulnerabilidades individuais e ambientais dessa fase da vida é importante para preservação cognitiva, sem a qual não existe autonomia e independência.

É uma questão urgente diante do avanço de diagnósticos de quadros demenciais. A demência já afeta quase 50 milhões de indivíduos de baixa e média renda, segundo Organização Mundial da Saúde. Estima-se que em 2030 esse número ultrapasse 75 milhões, com custo global dos cuidados em demência estimado em mais de US$ 1 trilhão. Os dados são do relatório do Plano Global de Ações em Demências, que destaca ainda ser o Alzheimer o tipo de demência de maior incidência. 

Está comprovado que a idade é um fator de risco não genético de grande potencial. E embora as pesquisas ainda sejam limitadas, há evidências suficientes para intervir com propostas para um envelhecimento digno e significativo para a população, sendo algo que todos os países podem fazer, independentemente de situação atual ou do grau de desenvolvimento econômico.

Estudo apresentado no Congresso de Geriatria e Gerontologia, da pesquisadora Locimara Ramos Kroef, psicóloga da Universidade para a Terceira Idade da UFRGS, destaca que o saber adquirido pode realizar uma reformulação no contexto social e pessoal da velhice, trazendo uma prevenção mais eficiente para evitar o agravamento dos problemas próprios do envelhecimento, caso da demência.

Então porque não englobar também as fases que antecedem o envelhecimento na construção da cultura de aceitação da velhice?  Aprender a envelhecer pode ser tão importante quanto compreender as particularidades dos idosos, que envolvem transtornos frequentes de depressão, ansiedade e suicídio.

Vale destacar novamente que as oportunidades educacionais são importantes antecedentes de ganhos evolutivos na velhice porque intensificam trocas de contatos e promovem aperfeiçoamento pessoal. Desenvolver sentimentos como autoconfiança e amor próprio são tão essenciais quanto recursos para novas pesquisas na luta contra os transtornos mentais.

Entre as iniciativas que favorecem a prevenção destacam-se a garantia de acesso do idoso a políticas públicas já implementadas, como as Universidades para a Terceira Idade (UniAtis). Trata-se de uma ação que favorece a intergeracionalidade, ferramenta eficiente para a promoção da saúde integral.

Promover o engajamento em grupos de atividades físicas também melhora a capacidade cognitiva. Aliás, qualquer tipo de lazer promove envolvimento social e não demanda grandes investimentos. Um caso bacana é o sarau literário para incentivar a escrita e a leitura de textos próprios ou de autores diversos. Algo que o grupo Estação LongevIDADE Ativa tem feito por meio do Facebook.

Nesse caminho, a tecnologia ajuda muito. Aprender a jogar, bem como aprender a programar os próprios jogos online têm dado bons resultados. Isso porque a estimulação mental faz nascer novos neurônios.

Disseminar eventos como a Virada da Maturidade, que acontece anualmente em grandes centros como a cidade de São Paulo, é outra ótima ferramenta intergeracional para educar e conscientizar toda a população da importância de aceitar bem o envelhecer. Algo inerente à natureza humana.

Depressão é principal causa de suicídio entre idosos

Suicídios de celebridades americanas Kate Spade e Anthony Bourdain alertam para casos crescentes entre os mais velhos.

Acabei de ver a segunda temporada da série 13 Reasons Why, na tradução livre Os 13 porquês, baseada no livro homônimo de Jay Asher. Ela trata de um tema recorrente no Ensino Médio que é o bulling, a angústia existencial e o suicídio. Os casos de suicídios cometidos entre jovens crescem e soam um alarme. Trata-se da quarta causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos.  Embora estejamos lidando com seres humanos e não com estatísticas, o que me chamou atenção é que os indicadores são muito maiores entre idosos.

Trata-se de um quadro resultante de várias causas – e até coincidentes com as dos jovens – como a depressão não diagnosticada, não tratada e inadequadamente conduzida, de acordo com o geriatra Ulisses Cunha. “São justamente os mais velhos que mais chegam às vias de fato, tirando a própria vida”, diz.

Dados do Relatório Global para Prevenção do Suicídio da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que as taxas mais altas de suicídio estão entre as pessoas acima dos 65-70 anos de idade, sendo 80% homens.  Em segundo lugar estão os adultos com idades entre os 30 a 49 anos.

Esses indicadores alertam para a necessidade urgente de se tomar medidas práticas para atender estes idosos antes que eles se sintam tão pressionados, infelizes, solitários e depressivos que decidam tirar a própria vida. “Algo em torno de 70% dos casos de suicídio nesta fase da vida podem ser atribuídos à depressão”, avalia Cunha.

Vide o caso do chef e apresentador Anthony Bourdain, de 61 anos, dependente químico, que sofria de depressão. A segunda celebridade numa semana a cometer suicídio por enforcamento.

Poucos dias antes, a estilista Kade Spade, de 55 anos, sucumbiu porque recusou tratamento para depressão por medo de afetar a imagem de sua marca, associada à alegria e ao entusiasmo.  Segundo a irmã mais velha conta, ela se automedicava com álcool.

Abuso de drogas como álcool, psicoses e demências também são apontadas como causas. Existem ainda os suicidas passivo-crônicos, que são aqueles que cometem um suicídio lento, não manifestado, como recusar alimentação, se negar a seguir prescrições médicas e deixam de tomar os remédios.

Ciente desse cenário, o Ministério da Saúde lançou ano passado, durante o setembro amarelo, o primeiro Boletim Epidemiológico de Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil. O estudo mais recente confirma a alta taxa de suicídio entre idosos com mais de 70 anos por aqui.

Nessa faixa etária, foram registradas média de 8,9 mortes por 100 mil nos últimos seis anos. A média nacional é 5,5 por 100 mil. Também chamam atenção o alto índice entre jovens, principalmente homens, e indígenas. O diagnóstico inédito pretende orientar a expansão e qualificação da assistência em saúde mental no país.

Com base nesses dados foi elaborada uma agenda estratégica para atingir meta da OMS de redução de 10% dos óbitos por suicídio até 2020. Entre as ações, destacam-se a capacitação de profissionais, orientação para a população e jornalistas, a expansão da rede de assistência em saúde mental nas áreas de maior risco e o monitoramento anual dos casos no país e a criação de um Plano Nacional de Prevenção do Suicídio.

Desde 2011, a notificação de tentativas e óbitos é obrigatória no país em até 24h. “A notificação de casos é muito importante para que consigamos visualizar onde se encontram as regiões com maiores indicadores e reunir esforços para diminuir as taxas de suicídio. Já trabalhamos com ações de prevenção nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) que, em breve, devem chegar às áreas de maior incidência”, diz Maria de Fátima Marinho, do Departamento de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis do Ministério da Saúde.

A ideia é reforçar nossa rede de atenção psicossocial junto aos gestores locais, visando fortalecer e ampliar a assistência a todos os indivíduos que necessitam de atenção e cuidado neste momento, segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Adeilson Cavalcante.

Assistência é o melhor remédio

Os serviços de assistência psicossocial tem papel fundamental na prevenção do suicídio. O Boletim apontou que nos locais onde existem Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), uma iniciativa do SUS, o risco de suicídio reduz em até 14%. Existem no país, 2.463 CAPS e, no último ano, foram habilitadas 146 unidades, com custeio anual de R$ 69,5 milhões do Ministério da Saúde. Por isso, a agenda estratégia prevê a expansão dessas unidades nas regiões de maior risco.

Outro ponto para ampliar o atendimento é a parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV).  Desde o ano passado, o Ministério da Saúde tornou gratuita a ligação para a instituição que faz o apoio emocional por para prevenção de suicídios. Além disso, a entidade também presta assistência pessoalmente, via e-mail ou chat.

Também está prevista a divulgação de materiais de orientação para ampliar a comunicação social e qualificar a informação aos jornalistas, profissionais de saúde e a população.  Todos os documentos estão disponíveis para download no Portal da Saúde. 

Brasil lidera ranking de depressão

A depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo, segundo dados divulgados pela OMS referentes a 2015. Em 10 anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. A prevalência do transtorno na população mundial é de 4,4%. No Brasil, 5,8% da população sofre com esse problema, que afeta um total de 11,5 milhões de brasileiros.

Ainda segundo os dados da OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo com maior prevalência nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos.

Nos acostumamos a representar os papéis distribuídos pela sociedade, que impõe ao jovem ser alegre, ativo e sorridente. Do idoso, espera-se o recolhimento, a melancolia e a tristeza. É esse estereótipo dificulta a identificação de um problema que tende a se intensificar ainda mais com o aumento da longevidade: a depressão.

Além da associação que se costuma fazer entre velhice e desânimo, um dos sinais mais clássicos da doença nem sempre está presente na terceira idade. “A depressão no idoso pode, às vezes, ser subdiagnosticada porque a tristeza não é seu principal sintoma”, explica a epidemiologista Gabriela Arantes Wagner, professora-assistente do Departamento de Ciências Fisiológicas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

“Além disso, os idosos, muitas vezes, não estão dispostos a falar sobre seus sentimentos, o que prejudica o diagnóstico. Por essa razão, a abordagem de um profissional especialista e experiente com essa população é tão importante”, destaca a médica, autora do artigo “Tratamento da depressão no idoso além do cloridrato de fluoxetina”, publicado na Revista Saúde Pública.

Com informações do Portal da Saúde.