O futuro depende da diversidade no trabalho

Demorei um bocado a assistir Um Senhor Estagiário, filme com Anne Hathaway e Robert De Niro, apesar de tantas indicações. Realmente é uma delícia de comédia com toques de drama que pode ser inspiradora tanto para aposentados quanto para mulheres que assumem liderança. Para mim a inspiração veio na hora certa por vários motivos e me ajudou a encarar o trabalho de uma nova forma. Olhar esse essencial para o envelhecimento.

Foi daí que veio a pergunta que originou este texto: o que estamos fazendo para combater a velhofobia no mercado e dentro de nós mesmos?

Essas e outras questões foram respondidas durante o Maturi Fest 2020 – Festival Online de Trabalho e Empreendedorismo 50+, realizado entre 6 e 9 de julho, sob a batuta de Mórris Litvak, fundador da Maturi, negócio social que nasceu em 2015 como MaturiJobs, com o intuito de ajudar as pessoas maduras a terem a oportunidade de continuarem ativas e compartilhando suas experiências pelo tempo que quiserem.

O evento reuniu 60 palestrantes engajados na causa do envelhecimento ativo, contou com cerca de 7 mil inscritos e a cobertura completa pode ser conferida no site da Maturi. Vale a pena!

Trabalho ou emprego?

Recomendo independentemente da idade. Até porque, como se diz, a carapuça me serviu, embora ainda esteja aqui no limbo dos 40+. É que durante o distanciamento social muitos, como eu, assumiram novas tarefas da gestão não só da própria casa como a de algum familiar do grupo de risco. Confesso que inicialmente o sofrimento era desproporcional simplesmente porque não conseguia enxergar valor em determinado tipo de trabalho.

Isso porque fomos criados para ter emprego, carreira, num cenário onde quase sempre as relações de trabalho são balizadas pela troca do dinheiro. Não é que o dinheiro não importe!

Importa e muito. Principalmente quando você percebe aos 50 que vai viver por mais 50. Mas diante de uma crise socioeconômica como a que o mundo enfrenta para além da pandemia, é vital compreender o trabalho como ação que provoca transformação e não apenas obediência ao horário de expediente e ao líder.

O ato de se dispor a fazer algo pela sociedade ou por você mesmo tem valor mesmo não sendo remunerado. E isso precisa ficar claro, como no filme com De Niro, para quem já se aposentou ou não.

Estigma social

“A pergunta que deve ser feita é o que a vida espera de mim e não o contrário”, destaca a antropóloga Mirian Godenberg, autora dos livros A Bela Velhice e Coroa, corpo, envelhecimento e felicidade, para quem o prazer de aprender deve reger toda a sinfonia a vida inteira. “A pandemia nos revelou um lado perverso da sociedade ao trazer à tona o estigma social da velhice e isso precisa ser combatido nas mais amplas frentes com educação”, completa.

Nesse caminho, a tecnologia desempenha um papel fundamental  ao ampliar o acesso a conhecimento e facilitar os relacionamentos corporativos quando se passa enxergar as redes sociais como ferramentas de trabalho. Uma mudança que pode ser mais difícil se for feita atropeladamente.

No ritmo de cada um

“É importante não se comparar ao outro e encontrar o próprio ritmo”, diz o epidemiologista Alexandre Kalache, uma referência internacional quando o assunto é envelhecimento e longevidade. “Movam-se mais devagar e parem de reclamar que o mundo está envelhecendo. Envelhecer é bom desde que o processo seja sustentado pelos quatro pilares do envelhecimento ativo: saúde, conhecimento, participação e segurança”, diz o especialista para quem a vida precisa deixar de ser uma prova de cem metros para se transformar numa maratona.

E como em toda prova de resistência, o planejamento faz a diferença. Mas se organizar para envelhecer ativamente requer coragem para seguir os sentimentos, como destaca o consultor Alexandre Pellaes, palestrante, pesquisador e mestre em Psicologia do Trabalho.

“Embora esteja na moda, nem tudo é só sobre a mente, por isso não gosto do termo mindset. Prefiro feelset”, afirma.  Nesse sentido, diz ele, mais vale um ano de terapia que um ano de MBA porque o autoconhecimento é extremamente importante na hora de ouvir o coração e decidir o caminho a seguir. E não se trata aqui do besteirol literário de autoajuda que pulula por aí.

Diversidade que se completa

A pandemia  reforçou a necessidade de reflexão sobre o idadismo e o preconceito. Mas quando se trata do futuro, outras doenças que não têm sido devidamente tratadas, caso dos vários tipos de demência e até da diabetes, entre outras, além da velhofobia arraigada na sociedade, devem ser levadas em conta, assim como a velocidade do envelhecimento da população e sua pluralidade.

Em um contexto em que  mais da metade das empresas brasileiras têm dificuldades para preencher vagas em áreas como tecnologia da informação, matemática e negócios, este é um grande momento para refletirmos sobre a responsabilidade social do futuro do trabalho.

Atualmente, o país conta com mais de 13 milhões de desempregados, conforme os últimos dados divulgados pelo IBGE. Desse total, quantos estão sem empregos e foram para informalidade por falta de oportunidades e desenvolvimento? Quantos possuem talento nas áreas que mais sofrem pela ausência de profissionais, porém não têm capacitação ou uma chance simplesmente por serem considerados “velhos” ?

A resposta não é simples, mas Kalache joga um facho de luz na escuridão ao apostar que a saída diante de um mundo fortemente conectado é a confiança e o apoio intergeracional.  “Dependemos dos mais velhos para nos guiar e dos mais jovens para nos fortalecer, embora exista o medo e a discriminação. Só podemos vencer essa crise e outras crises que virão, com decência e confiança uns nos outros, senão todos afundaremos”.

Leia também:

Empresas ainda tropeçam na diversidade etária

Sobrevivência da aposentadoria pede remédio amargo

Pesquisa aponta necessidade de mudar relação com a morte

O movimento de transformação provocado pelo envelhecimento ativo tem alterado a percepção e a relação que temos com o fim da vida. Ainda mais agora, diante da pandemia da Covid-19, quando a morte nos ronda diariamente. É o que revela uma pesquisa recém-lançada, que nos convida a refletir de um novo jeito sobre a finitude, que pode sim ser mais real, afetiva e prática.

Porque planejar e organizar o fim da vida é essencial para auxiliar a família a lidar, com o mínimo de estresse, com questões como heranças, dívidas e outras pendências. O estudo Plano de Vida & Legado foi realizado pela Janno em parceria com a MindMiners e ouviu ouviu 1.053 pessoas com mais de 45 anos.

“Inovamos ao realizar análises do comportamento do cidadão maduro com o novo formato e perspectiva de vida, que agora esticou”, diz Layla Vallias, cofundadora da Janno, startup de gestão financeira focada no público sênior.

Ela destaca que, maior que a população da Espanha, os maduros com mais de 50 anos já somam quase 60 milhões no Brasil. E que esse público desenha um novo modo de envelhecer. “Nele, os sonhos são restaurados, os desejos se avivam, a liberdade é o maior valor – e um novo plano de vida começa a ser escrito”.

Mas colocar o assunto embaixo do tapete não ajuda. No ranking Qualidade da Morte, conduzido pela Economist Intelligence Unit, o país ocupa a 42ª posição entre 80 países. No cotidiano, 74% dos brasileiros não falam sobre a morte. Quando a ameaça à vida ganha proporções globais e palpáveis – como temos visto nesta pandemia – o assunto é ainda mais necessário.

“É importante lembrar que falar sobre finitude não se trata de abordar somente o luto, a perda, a saudade. Planejar a finitude é, acima de tudo, assegurar a liberdade de tomar as próprias decisões e honrar o legado”, afirma.

De acordo com estudo do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios (SINCEP), 87% dos brasileiros não se sentem preparados para lidar com a morte. Não se trata de naturalizar o que pode ser evitado. Aliás, os avanços da medicina aliados à tecnologia são os principais responsáveis pela longevidade ativa. Mas já passou da hora de aprender a lidar melhor com algo que faz parte da nossa existência, conforme já discutimos aqui em Se a morte é algo natural, por que é tão difícil falar sobre ela?

Sinal de que, aos poucos, começamos a olhar com outros olhos para o fim da vida são as diversas iniciativas que se propõe a nos transformar nesse sentido. Caso do Movimento InFINITO, que nos inspira a refletir sobre a nossa própria morte e a de entes queridos.

No curso de Gerontologia também há uma disciplina inteirinha dedicada aos cuidados paliativos e à finitude, abordando como se comunicar com o paciente e a família, inclusive no pós-luto.

Então, que tal deixar o tabu de lado, ceder lugar ao diálogo e atenuar o sofrimento com planejamento?

Confira os principais destaques da pesquisa:

# Sete em cada 10 entrevistados com mais de 60 anos afirmam que estão refletindo mais sobre a finitude durante a pandemia; quatro em cada 10 estão com medo de morrer; dois em cada 10 começaram o planejamento de fim de vida durante o distanciamento social.

# Sete em cada 10 brasileiros considera a morte um tabu. Embora seja um tema frequentemente abordado pelas religiões e artes, o tema não chega facilmente à mesa do jantar. Ao ser administrada com um distanciamento emocional e de forma prática, a morte passou a ser tratada apenas no ambiente hospitalar.

# Seis em cada 10 brasileiros com mais de 45 anos já refletiram sobre a própria morte e não acham difícil falar sobre o tema. Conforme a idade passa, fica cada vez mais fácil falar sobre a morte: 47% entre 45 e 54 anos; 38% entre 55 e 64 anos; e 31% entre os 65+. Cinquenta e quatro por cento dos brasileiros com mais de 45 anos se identificam com a afirmativa: eu me preocupo com o que vou deixar (patrimônio ou dívidas) para meus filhos e familiares quando não estiver mais aqui. 

# Seis em cada 10 brasileiros com mais de 45 anos, afirmam que querem morrer em casa; 13% em hospice (com cuidados especiais de tratamento de fim da vida); 13% em hospital, mas não UTI; 4% em casa de repouso (ILPI); e 2% na UTI.

# Seis em cada 10 brasileiros com 45+, que já refletiram sobre a morte, sabem quais são os desejos de final de vida: sete em cada 10 já conversaram sobre os ritos funerários com familiares e amigos próximos; cinco em cada 10 já conversaram sobre como querem ser cuidados em caso de doença terminal. Entretanto, nesse assunto falta a reflexão sobre o planejamento (pessoal e financeiro) para essa etapa da vida. Oito em cada 10 brasileiros 45+ não registraram os seus desejos, por exemplo.

Acesse a pesquisa completa Plano de Vida & Legado AQUI.

Leia também: Prontos para encarar a longevidade com independência financeira

Sem vacina, é preciso seguir com pequenas doses de liberdade

Hoje dei o primeiro passo rumo a minha desquarentenização. Só por hoje não acordei pensando no noticiário dessa gaiola chamada Brasil. Venci o desânimo, o medo, não pensei nas críticas e sai para correr. Tênis no pé e na fuça minha super máscara que vem com sete filtros. Comigo só a minha cãopanheira Frida. Foi importante para organizar as ideias.

Neste momento, tomar as rédeas das emoções e aprender a (se) flexibilizar é fundamental. A vida continua e é preciso retomar os projetos, os sonhos e mais do que nunca usar a tal capacidade de nos reinventar.

Só percebi que havia me perdido no caos do isolamento quando mesmo com todo o suposto tempo da quarentena em casa vi que minha última atualização do blog era do final de abril. Dias iguais, confinamento, mercado, farmácia, e uma vida de avatar na internet…

Menos afazeres, mais cansaço.

Com o tempo correndo nessa toada lenta, imperceptível, talvez tenha me quarentenizado um pouco além da conta.

Não que tratar da longevidade no Casa de Mãe não fosse importante. Mas já havia muita coisa bacana dentro da temática sendo produzida. Então eu (tentei) focar em mim mesma e nos estudos da Gerontologia para apresentar uma boa proposta de projeto de intervenção na conclusão do curso, que acaba já neste semestre. E só isso já foi muito difícil.

Sem grandes inspirações para trazer algo realmente útil para cá, feito com cuidado, acabei por me abster. Também tem certo desassossego que me impede, como antes, de realizar várias atividades ao mesmo tempo.

É no meio desse turbilhão de sentimentos que certas precauções em excesso começam a virar fobias e a impedir a nossa volta à vida de fato. Sim, à vida. Ponto. Porque normal acho que essa vida nunca foi.

Dá para considerar normal uma vida em que uma parte dos brasileiros faz fila para entrar num shopping enquanto outra parte do povo morre numa velocidade descomunal?

Tem certas coisas que só a psicologia explica. Por isso fui buscar ajuda e bater um papo com profissionais para tentar entender esse momento tão ambíguo e tão delicado. Porque não é apenas o vírus que causa desalento.

A exemplo do que acontece no resto do mundo, aqui a crise socioeconômica dá sinais de que vai durar um bom tempo. E tudo isso colabora para um fenômeno psicológico que pode acometer uma parcela da população: o medo de sair de casa.

“É um sentimento de angústia e receio que pode tomar conta mediante a ideia de sair às ruas e retomar o contato social e está relacionado à síndrome da cabana”, conforme explica a psicóloga e hipnoterapeuta Sabrina Amaral. É um efeito observado em outras situações de isolamento de longa duração: expedições no Alasca, períodos longos de hospitalização e encarceramento prolongado, entre outros.

A psicóloga Maria Aparecida (Tina) Junqueira Zampieri, doutora em Ciências da Saúde, explica que síndrome não é bem um nome adequado por não se tratar de uma patologia, mas de uma reação a um confinamento. “É esperado enfrentar alguns sentimentos diferentes, depois de um longo período sem sair de casa. É natural certa dificuldade, certo medo, um estranhamento”, diz.

Divulgação/AI

Tina destaca que isso pode ocorrer em qualquer idade e variar de pessoa para pessoa.

Nos idosos, porém, o quadro pode ser mais acentuado pela questão da fragilidade, por estarem em uma fase de vida em que outras mudanças estão acontecendo simultaneamente e isso colabora para esse sentimento de estranheza. Mas, muitas pessoas jovens também podem experimentar a mesma sensação.

Por que isso acontece?

É como se o nosso cérebro ficasse acostumado a uma nova rotina e aprendesse que estar em casa é a única possibilidade de segurança e proteção. Além disso, tivemos reforçadores positivos de comportamento durante a quarentena: mais tempo para a família, hobbies, estudo e tempo para nós mesmos.

Para as pessoas que têm uma personalidade naturalmente introvertida, isso é ainda mais evidente. Por isso, é importante reforçar a esperança e falar de coisas boas que estão por vir. Das janelas de oportunidades que se abriram e de como as mudanças podem ocorrer a partir das crises, reforça a psicóloga Tina Zampieri.  

Quais são os sintomas?

O sintoma principal é a angústia de sair de casa, acompanhada de medo e ansiedade. Percebe-se ainda certa letargia, falta de motivação, sono excessivo e comportamentos de esquiva para fugir do problema, como compulsão alimentar ou adicções. Notam-se também sintomas cognitivos como falha na memória e dificuldade de concentração.

Tina conta que ela mesma passou por uma situação semelhante e sugere que para se desquarentenizar, o melhor é respeitar o próprio tempo. “Não se obrigar a nada é a melhor saída para voltar a sair”.

5 passos para se desquarentenizar

#Foque no que está ao seu alcance. Crie uma rotina com movimento e que envolva alimentação saudável, exercícios e momentos para sair de casa aos poucos.

#Sem grandes pretensões, coloque metas para administrar a angústia. Um dia após o outro. Primeiro até a padaria, depois uma volta no quarteirão, e assim, sucessivamente.

#Avalie racionalmente seu medo, afinal, não é uma escalada até o Pico da Neblina, é apenas uma volta pela vizinhança.

#Facilite ainda mecanismos para mitigar o medo, como usar roupas e calçados fáceis de tirar, facilitando a higienização na hora de chegar em casa. Tenha um local externo para deixar os calçados e máscaras até serem higienizados.

#É importante não se comparar com os outros, mas sim, consigo mesmo. Se você observar que os comportamentos de esquiva não regridem ou aumentam conforme os dias passam, é importante buscar ajuda.

No mais, não se cobre tanto. Que tal encarar isso como uma fisioterapia psicológica que vai ajudar você a voltar a caminhar depois de um longo período de imobilização?

Com informações do Ciclo de Mutação e do CidadeVerde.com