O valor econômico do inestimável

É fundamental reconhecer o trabalho de quem cuida do idoso e encontrar novas maneiras de apoiá-lo.  É o que faz a Techstar Future of Longevity Accelerator, aceleradora de negócios da longevidade, financiada por Melinda Gates

Antes de a pandemia colocar em xeque o cuidado com os idosos milhões de pessoas cuidavam de seus parentes, a maioria sem apoio adequado. Ciente disso, Melinda Gates firmou parceria – por meio da Pivotal Ventures, empresa de investimentos criada em 2015 para incentivar negócios de impacto social voltados para mulheres e famílias nos Estados Unidos -, com a Techstars, rede mundial de fomento ao empreendedorismo, para criar uma aceleradora de projetos da longevidade.

Batizada Techstar Future of Longevity Accelerator, a iniciativa nasceu com o propósito de ajudar a encontrar soluções inovadoras para os americanos mais velhos e as pessoas que os amam e cuidam deles.  Um cenário que envolve 40 milhões de cuidadores familiares. Por lá, uma em cada três mulheres baby boomers cuida de um pai ou mãe idoso.

No Brasil, os desafios não são diferentes e se tornam cada vez mais urgentes.  Aqui como lá não é novidade que cuidar ainda é uma tarefa feminina. E são majoritamente mulheres aquelas que param a vida para viver a de um outro, simplesmente por questões culturais. De modo geral, o familismo impõe a uma única mulher a responsabilidade e o peso de retribuir os cuidados recebidos na infância. Como bem descreve Júlia Rocha, médica de família, trata-se de um processo violento e doloroso.

Pesquisa da Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA mostra que 63% dos cuidadores morrem até quatro anos antes do que as pessoas que eles estão cuidando. Isso porque o esforço e tempo demandado são tão intensos que os cuidadores costumam descuidar de si próprios, abandonam emprego e o lazer e acabam desenvolvendo insônia, depressão e ansiedade, entre outras doenças.  “É preciso enxergar o caráter sistêmico destas condições e agir em busca de soluções sistêmicas”, escreve em seu blog Por Um Mundo Melhor.

Nesse sentido, o primeiro passo é reconhecer o trabalho de quem cuida do idoso e apoiá-lo. E foi isso que Melinda Gates fez ao lançar seu programa para acelerar projetos inovadores de ferramentas e serviços, que ajudem a melhorar esse ecossistema criado pelo envelhecimento da população. A  iniciativa está sob a tutela de Jason Towns, diretor da Techstar Future of Longevity Accelerator, que concedeu a seguinte entrevista para o Evoke:

Para quem não está familiarizado, pode definir o que o ecossistema de atendimento ao idoso envolve?

É difícil porque abrange uma ampla gama de serviços e soluções, mas de modo geral, o termo envolve todo tipo de cuidado para idosos que não podem mais viver com segurança de forma independente, muitas vezes devido a problemas de saúde ou mobilidade.  Esses cuidados podem ser em casa ou administrados por cuidadores empregados ou por comunidades de idosos. Cuidadores formais são funcionários pagos, enquanto cuidadores informais (muitas vezes esquecidos nessas conversas) costumam ser da família.

Existe alguma conexão pessoal com esse ecossistema?

Sim, quase sempre existe quando nos damos conta do processo de senescência. No meu caso, participar dos cuidados de meu avô durante seus últimos anos foi um dos componentes mais impactantes da minha infância. Vovô foi um dos meus heróis, e agora ter a oportunidade de acelerar a inovação que tem o potencial de melhorar a vida de adultos mais velhos e cuidadores é emocionante para mim. Passei a maior para da minha carreira identificando oportunidades negligenciadas em mercados carentes e este trabalho se encaixa perfeitamente nessa intersecção.

Como a pandemia mudou as necessidades não atendidas dos indivíduos que prestam e recebem cuidados de idosos?

A crise sanitária só exacerbou muito os desafios que já afetam os idosos, mas a maioria das empresas selecionada para receber apoio nesta primeira rodada está abordando o problema de frente.  Para se ter uma ideia, antes da pandemia, quase 45% dos adultos mais velhos relataram se sentir solitários.  Os impactos na saúde do isolamento social rivalizam com o fumo, a obesidade e a inatividade física. A startup Naborforce, uma das 10 selecionadas, tem combatido esse problema de isolamento social e solidão, fornecendo uma plataforma para conectar adultos mais velhos a seus “filhos” na comunidade, que são pessoas cadastradas que ganham para dar suporte sob demanda para recados, transporte e ajuda em casa.

Há alguma semelhança entre os fundadores das empresas que escolheu financiar?

A condução do processo de seleção até o início da pandemia forneceu uma visão sobre a determinação de cada equipe, o nível de comprometimento e a capacidade de responder às mudanças do mercado em tempo real. Esses foram dados comuns, inesperados, mas valiosos. Cada fundador tem uma visão única de como eles precisam acomodar o impacto da crise sanitária e como sua solução se encaixa no “novo normal”.

Conheça algumas das startups selecionadas:

#Braze Mobility

Desenvolveu o primeiro sistema de sensor de ponto cego do mundo que pode ser conectado a qualquer cadeira de rodas motorizada, transformando-a em uma cadeira de rodas “inteligente”. Com a Braze Mobility, os usuários podem identificar obstáculos com mais facilidade, ajudando a reduzir os riscos de lesões e danos à cadeira de rodas e ajudando os usuários a manter sua dignidade e independência.

# MemoryWell 

É uma plataforma digital que usa a narração de histórias para melhorar o atendimento aos idosos. Por meio de uma rede de escritores profissionais, a startup trabalha com famílias, comunidades de idosos e provedores baseados em casa e na comunidade, para substituir formulários e questionários de atendimento por meio de memórias do paciente.

#Rezilient Health 

Uma plataforma de telessaúde robótica que permite que os médicos não apenas forneçam visitas de vídeo padrão, mas também controlem remotamente o posicionamento de dispositivos médicos que estão localizados com o paciente em outro consultório médico, farmácia ou lar de idosos, entre outros locais.

#Rubitection 

Desenvolve um sistema de saúde e bem-estar da pele para melhorar a detecção, avaliação e gerenciamento de cuidados de condições vasculares e dermatológicas, como feridas e úlceras nos pés para idosos em casa, em lares de idosos ou em hospitais.

#Authored 

Cria roupas cuidadosamente projetadas com aberturas discretas que se adaptam às necessidades e limitações do corpo.  As peças promovem e prolongam a independência, permitem roupas mais seguras e reduzem o estigma e as lesões.

Leia também:  Maturidade que inspira inovação

Autor: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *