Idoso conectado: um alvo fácil de golpes na internet

Época de Natal e todo mundo quer dar aquela lembrancinha para confraternizar e celebrar mais um ano com a família e os amigos. O tempo é curto e já não há aquela disposição para enfrentar a multidão. Então você abre aquele vinho especial, pega uma tacinha e senta confortavelmente na sala para fazer as compras pelo computador porque seu neto já te ensinou tudo. Bendita internet!

Opa… Cadê meu saldo? A ideia era proporcionar conforto e comodidade, mas se tornou um pesadelo.

Cada vez mais conectados, os idosos estão mais expostos aos riscos do ambiente virtual. São considerados alvos fáceis de crimes cibernéticos e, por isso, se tornaram os preferidos de golpistas, que têm aperfeiçoado fraudes para confundi-los.

Mais idade e pouco conhecimento de segurança online dão a deixa para algumas das táticas para criar fraudes envolvendo a Previdência Social, pesquisas de emprego, cartão de crédito e Receita Federal. Há ainda golpes capitalizados na generosidade das pessoas, que costumam transferir doações para instituições supostamente idôneas.

Estima-se que no Brasil e no mundo, as perdas sejam bilionárias, embora ainda subestimadas. Muitas vezes os casos são subnotificados porque os idosos têm vergonha de denunciar. Em outras ocasiões, simplesmente não têm ideia de que algo está errado até que uma agência de cobrança ligue para dizer que um pagamento é inadimplente. 

É claro que pessoas de todas as idades estão sujeitas a perdas, mas a média é de US$ 2 mil para menores de 70 anos; enquanto para os maiores, a cifra chega a US$ 9 mil, conforme reportagem do NYTimes.

Outro dado interessante vem do levantamento global da fabricante de softwares de segurança Kaspersky: 33% dos internautas acima de 55 anos não têm sequer ciência de que pode estar sendo espionado pela webcam sem consentir. Além disso, apenas 25% dos usuários mais velhos desconfiam em compartilhar sua localização.  A pesquisa foi realizada com 12 mil usuários em 21 países, incluindo o Brasil.

Diante disso, e após algumas leituras, deixo aqui alguns cuidados que podem amenizar os ataques no universo digital e dar mais tranquilidade ao idoso que pretende fazer suas compras online, sem deixar de apreciar sua taça de vinho. Mas tudo com moderação!

Vamos lá!

Importante saber que o phishing é um dos principais ataques feitos hoje no Brasil. Chega à vítima por uma plataforma digital, como e-mail ou rede social, e os criminosos se fazem passar por uma empresa, banco ou marca de confiança.

Nesta mensagem, a vítima é convidada a preencher dados pessoais, por meio de uma isca, como uma promoção, por exemplo. Eles costumam criar ataques direcionados, por isso é importante sempre estar atento ao que se compartilha e se acessa online.

Nunca. NUNCA mesmo preencha seus dados, e sempre desconfie de ofertas tentadoras. Além disso, vale lembrar que nenhum banco pede confirmação de dados pessoais via e-mail ou Whatsapp. Quem dá o alerta, e as dicas abaixo, é o Daniel Barbosa, pesquisador de Segurança da Informação da ESET Brasil.

#No e-mail

Evite abrir links sem a certeza de que é um e-mail oficial. De novo: nunca preencha seus dados. Além disso, fique atento ao remetente, empresas oficiais costumam ter o formato “areadaempresa@empresa.com.br”, e não apresentam números e símbolos. Caso a ameaça seja de cancelamento de alguma conta, busque um telefone oficial para contato e esclareça suas dúvidas.

#No Whatsapp

Geralmente o golpe começa por uma mensagem que contém um link, e é enviada por um contato que a compartilha apenas por acreditar que é algo legítimo. Ao clicar no link, você será redirecionado para um site onde é convidado a preencher seus dados. A dica aqui é ficar atento aos links e não clicar caso esteja em dúvida da veracidade do que foi recebido, mesmo que tenha sido enviado por alguém de confiança. No caso de promoções, entre sempre no site oficial da empresa e verifique se a oferta é real.

#No Facebook

Nesta rede social, os golpes podem chegar por mensagem privada ou por um post na timeline. Os golpes costumam ter títulos chamativos, então fique atento a ofertas tentadoras, avise quem compartilhou, caso você perceba que é um golpe, e não clique em links suspeitos.

Na dúvida, a ESET possui o portal #quenaoaconteca. Lá você encontra mais informações úteis para evitar que situações cotidianas afetem a privacidade online.

Leia também Movimento para inclusão do idoso no mundo digital ganha força

O avanço das agetechs

Está marcado para abril, em Londres, a segunda edição do Longevity Leaders World Congress.  O evento reunirá as maiores autoridades mundiais no campo da longevidade, de cientistas a investidores e CEOs de empresas de seguros. A aposta é que 2020 será o ano da “agetech”,  a tecnologia a serviço do envelhecimento, assim como as “fintechs”, startups financeiras ganharam destaque no mercado este ano.

Um sinal dessa movimentação já é observado no interesse dos investidores de capital de risco, como Dominic Endicott. Como sócio da Nauta Capital, ele liderou o investimento no GreatCall, empresa de tecnologia de saúde que oferece produtos e serviços para os mais velhos, quando ainda era uma startup, em 2007. O GreatCall foi comprada pela Best Buy por US $ 800 milhões, a maior aquisição já realizada pela varejista de eletrônicos.

O GreatCall é visto hoje pelo mercado como referência em  “agetech” e foi com base nessa experiência que Dominic montou um fundo de capital focado no segmento, o 4 GEN Ventures.  

Outro indício vem das próprias gigantes da tecnologia. No passado, Apple, Amazon, Google, Microsoft e Facebook tiveram 41% do seu faturamento nos Estados Unidos – algo em torno de US$ 150 bilhões, o equivalente a R$ 600 bilhões  – vinculados ao mercado da longevidade, segundo a Organização Inova Mundo, dedicada a fortalecer o ambiente de negócios por meio do conhecimento.

Campus da USP em Ribeirão Preto é referência em gerontotecnologia

É justamente para desenvolver o conhecimento sobre tecnologia no apoio à vida da pessoa idosa, que chega a sua terceira edição o Congresso Brasileiro da Gerontotecnologia. Um evento promovido pela Sociedade Brasileira de Gerontotecnologia, SBGTec, fundada em setembro de 2017. Foi no campus da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto que surgiu o embrião para essa associação científica de natureza civil, sem fins lucrativos.

Essa combinação da gerontologia e da tecnologia garante a pesquisa para a criação de interfaces tecnológicas para a saúde, habitação, mobilidade, comunicação, lazer e trabalho das pessoas mais velhas. E os resultados formam a base para designers, construtores, engenheiros, fabricantes, e aqueles que atuam nas profissões de saúde, proporcionarem um ambiente de vida melhor para os idosos. Além, é claro, de fomentar uma indústria valiosa, mas que precisa crescer pautada por limites éticos na busca obsessiva pelo antienvelhecimento.

“A pergunta é: devemos nos preocupar em viver para sempre ou em viver nas melhores condições possíveis?”, questiona a jornalista Ana Vidal Egea, na reportagem publicada pelo espanhol El País. (Link abaixo)

A resposta pede debates como os que ocorrerão em Londres e em São Paulo. São oportunidades importantes de se ampliar as discussões multidisciplinares em torno do binômio tecnologia e envelhecimento,  assim como promover o intercâmbio de saberes para o fortalecimento do conhecimento necessário à sociedade em transformação.

Três eixos devem nortear os debates: a ciência do envelhecimento e seu potencial de novos tratamentos para aumentar a expectativa de vida; bem-estar na velhice, que inclui os produtos e serviços voltados para este segmento; e os riscos da longevidade, com as métricas do impacto econômico desse processo.

Afinal, uma humanidade mais longeva exige saídas para viabilizar que as pessoas tenham conhecimento e acesso ao que precisam para melhorar sua qualidade de vida. 

Saiba mais:

Longevity Leaders World Congress.

Congresso Brasileiro da Gerontotecnologia

From first investor in greatcall to founding an agetech fund

Quem quer viver para sempre?