Pesquisa aponta necessidade de mudar relação com a morte

O movimento de transformação provocado pelo envelhecimento ativo tem alterado a percepção e a relação que temos com o fim da vida. Ainda mais agora, diante da pandemia da Covid-19, quando a morte nos ronda diariamente. É o que revela uma pesquisa recém-lançada, que nos convida a refletir de um novo jeito sobre a finitude, que pode sim ser mais real, afetiva e prática.

Porque planejar e organizar o fim da vida é essencial para auxiliar a família a lidar, com o mínimo de estresse, com questões como heranças, dívidas e outras pendências. O estudo Plano de Vida & Legado foi realizado pela Janno em parceria com a MindMiners e ouviu ouviu 1.053 pessoas com mais de 45 anos.

“Inovamos ao realizar análises do comportamento do cidadão maduro com o novo formato e perspectiva de vida, que agora esticou”, diz Layla Vallias, cofundadora da Janno, startup de gestão financeira focada no público sênior.

Ela destaca que, maior que a população da Espanha, os maduros com mais de 50 anos já somam quase 60 milhões no Brasil. E que esse público desenha um novo modo de envelhecer. “Nele, os sonhos são restaurados, os desejos se avivam, a liberdade é o maior valor – e um novo plano de vida começa a ser escrito”.

Mas colocar o assunto embaixo do tapete não ajuda. No ranking Qualidade da Morte, conduzido pela Economist Intelligence Unit, o país ocupa a 42ª posição entre 80 países. No cotidiano, 74% dos brasileiros não falam sobre a morte. Quando a ameaça à vida ganha proporções globais e palpáveis – como temos visto nesta pandemia – o assunto é ainda mais necessário.

“É importante lembrar que falar sobre finitude não se trata de abordar somente o luto, a perda, a saudade. Planejar a finitude é, acima de tudo, assegurar a liberdade de tomar as próprias decisões e honrar o legado”, afirma.

De acordo com estudo do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios (SINCEP), 87% dos brasileiros não se sentem preparados para lidar com a morte. Não se trata de naturalizar o que pode ser evitado. Aliás, os avanços da medicina aliados à tecnologia são os principais responsáveis pela longevidade ativa. Mas já passou da hora de aprender a lidar melhor com algo que faz parte da nossa existência, conforme já discutimos aqui em Se a morte é algo natural, por que é tão difícil falar sobre ela?

Sinal de que, aos poucos, começamos a olhar com outros olhos para o fim da vida são as diversas iniciativas que se propõe a nos transformar nesse sentido. Caso do Movimento InFINITO, que nos inspira a refletir sobre a nossa própria morte e a de entes queridos.

No curso de Gerontologia também há uma disciplina inteirinha dedicada aos cuidados paliativos e à finitude, abordando como se comunicar com o paciente e a família, inclusive no pós-luto.

Então, que tal deixar o tabu de lado, ceder lugar ao diálogo e atenuar o sofrimento com planejamento?

Confira os principais destaques da pesquisa:

# Sete em cada 10 entrevistados com mais de 60 anos afirmam que estão refletindo mais sobre a finitude durante a pandemia; quatro em cada 10 estão com medo de morrer; dois em cada 10 começaram o planejamento de fim de vida durante o distanciamento social.

# Sete em cada 10 brasileiros considera a morte um tabu. Embora seja um tema frequentemente abordado pelas religiões e artes, o tema não chega facilmente à mesa do jantar. Ao ser administrada com um distanciamento emocional e de forma prática, a morte passou a ser tratada apenas no ambiente hospitalar.

# Seis em cada 10 brasileiros com mais de 45 anos já refletiram sobre a própria morte e não acham difícil falar sobre o tema. Conforme a idade passa, fica cada vez mais fácil falar sobre a morte: 47% entre 45 e 54 anos; 38% entre 55 e 64 anos; e 31% entre os 65+. Cinquenta e quatro por cento dos brasileiros com mais de 45 anos se identificam com a afirmativa: eu me preocupo com o que vou deixar (patrimônio ou dívidas) para meus filhos e familiares quando não estiver mais aqui. 

# Seis em cada 10 brasileiros com mais de 45 anos, afirmam que querem morrer em casa; 13% em hospice (com cuidados especiais de tratamento de fim da vida); 13% em hospital, mas não UTI; 4% em casa de repouso (ILPI); e 2% na UTI.

# Seis em cada 10 brasileiros com 45+, que já refletiram sobre a morte, sabem quais são os desejos de final de vida: sete em cada 10 já conversaram sobre os ritos funerários com familiares e amigos próximos; cinco em cada 10 já conversaram sobre como querem ser cuidados em caso de doença terminal. Entretanto, nesse assunto falta a reflexão sobre o planejamento (pessoal e financeiro) para essa etapa da vida. Oito em cada 10 brasileiros 45+ não registraram os seus desejos, por exemplo.

Acesse a pesquisa completa Plano de Vida & Legado AQUI.

Leia também: Prontos para encarar a longevidade com independência financeira

Author: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *