O futuro depende da diversidade no trabalho

Demorei um bocado a assistir Um Senhor Estagiário, filme com Anne Hathaway e Robert De Niro, apesar de tantas indicações. Realmente é uma delícia de comédia com toques de drama que pode ser inspiradora tanto para aposentados quanto para mulheres que assumem liderança. Para mim a inspiração veio na hora certa por vários motivos e me ajudou a encarar o trabalho de uma nova forma. Olhar esse essencial para o envelhecimento.

Foi daí que veio a pergunta que originou este texto: o que estamos fazendo para combater a velhofobia no mercado e dentro de nós mesmos?

Essas e outras questões foram respondidas durante o Maturi Fest 2020 – Festival Online de Trabalho e Empreendedorismo 50+, realizado entre 6 e 9 de julho, sob a batuta de Mórris Litvak, fundador da Maturi, negócio social que nasceu em 2015 como MaturiJobs, com o intuito de ajudar as pessoas maduras a terem a oportunidade de continuarem ativas e compartilhando suas experiências pelo tempo que quiserem.

O evento reuniu 60 palestrantes engajados na causa do envelhecimento ativo, contou com cerca de 7 mil inscritos e a cobertura completa pode ser conferida no site da Maturi. Vale a pena!

Trabalho ou emprego?

Recomendo independentemente da idade. Até porque, como se diz, a carapuça me serviu, embora ainda esteja aqui no limbo dos 40+. É que durante o distanciamento social muitos, como eu, assumiram novas tarefas da gestão não só da própria casa como a de algum familiar do grupo de risco. Confesso que inicialmente o sofrimento era desproporcional simplesmente porque não conseguia enxergar valor em determinado tipo de trabalho.

Isso porque fomos criados para ter emprego, carreira, num cenário onde quase sempre as relações de trabalho são balizadas pela troca do dinheiro. Não é que o dinheiro não importe!

Importa e muito. Principalmente quando você percebe aos 50 que vai viver por mais 50. Mas diante de uma crise socioeconômica como a que o mundo enfrenta para além da pandemia, é vital compreender o trabalho como ação que provoca transformação e não apenas obediência ao horário de expediente e ao líder.

O ato de se dispor a fazer algo pela sociedade ou por você mesmo tem valor mesmo não sendo remunerado. E isso precisa ficar claro, como no filme com De Niro, para quem já se aposentou ou não.

Estigma social

“A pergunta que deve ser feita é o que a vida espera de mim e não o contrário”, destaca a antropóloga Mirian Godenberg, autora dos livros A Bela Velhice e Coroa, corpo, envelhecimento e felicidade, para quem o prazer de aprender deve reger toda a sinfonia a vida inteira. “A pandemia nos revelou um lado perverso da sociedade ao trazer à tona o estigma social da velhice e isso precisa ser combatido nas mais amplas frentes com educação”, completa.

Nesse caminho, a tecnologia desempenha um papel fundamental  ao ampliar o acesso a conhecimento e facilitar os relacionamentos corporativos quando se passa enxergar as redes sociais como ferramentas de trabalho. Uma mudança que pode ser mais difícil se for feita atropeladamente.

No ritmo de cada um

“É importante não se comparar ao outro e encontrar o próprio ritmo”, diz o epidemiologista Alexandre Kalache, uma referência internacional quando o assunto é envelhecimento e longevidade. “Movam-se mais devagar e parem de reclamar que o mundo está envelhecendo. Envelhecer é bom desde que o processo seja sustentado pelos quatro pilares do envelhecimento ativo: saúde, conhecimento, participação e segurança”, diz o especialista para quem a vida precisa deixar de ser uma prova de cem metros para se transformar numa maratona.

E como em toda prova de resistência, o planejamento faz a diferença. Mas se organizar para envelhecer ativamente requer coragem para seguir os sentimentos, como destaca o consultor Alexandre Pellaes, palestrante, pesquisador e mestre em Psicologia do Trabalho.

“Embora esteja na moda, nem tudo é só sobre a mente, por isso não gosto do termo mindset. Prefiro feelset”, afirma.  Nesse sentido, diz ele, mais vale um ano de terapia que um ano de MBA porque o autoconhecimento é extremamente importante na hora de ouvir o coração e decidir o caminho a seguir. E não se trata aqui do besteirol literário de autoajuda que pulula por aí.

Diversidade que se completa

A pandemia  reforçou a necessidade de reflexão sobre o idadismo e o preconceito. Mas quando se trata do futuro, outras doenças que não têm sido devidamente tratadas, caso dos vários tipos de demência e até da diabetes, entre outras, além da velhofobia arraigada na sociedade, devem ser levadas em conta, assim como a velocidade do envelhecimento da população e sua pluralidade.

Em um contexto em que  mais da metade das empresas brasileiras têm dificuldades para preencher vagas em áreas como tecnologia da informação, matemática e negócios, este é um grande momento para refletirmos sobre a responsabilidade social do futuro do trabalho.

Atualmente, o país conta com mais de 13 milhões de desempregados, conforme os últimos dados divulgados pelo IBGE. Desse total, quantos estão sem empregos e foram para informalidade por falta de oportunidades e desenvolvimento? Quantos possuem talento nas áreas que mais sofrem pela ausência de profissionais, porém não têm capacitação ou uma chance simplesmente por serem considerados “velhos” ?

A resposta não é simples, mas Kalache joga um facho de luz na escuridão ao apostar que a saída diante de um mundo fortemente conectado é a confiança e o apoio intergeracional.  “Dependemos dos mais velhos para nos guiar e dos mais jovens para nos fortalecer, embora exista o medo e a discriminação. Só podemos vencer essa crise e outras crises que virão, com decência e confiança uns nos outros, senão todos afundaremos”.

Leia também:

Empresas ainda tropeçam na diversidade etária

Sobrevivência da aposentadoria pede remédio amargo

Autor: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *