Longevidade do brasileiro implica num desafio econômico maior

Mesmo sem ter recebido educação financeira, meus pais sempre souberam poupar. Ao contrário de mim, que ainda hoje conto com a ajuda deles em várias frentes. E olha que me especializei em Economia, hein! Mas o fato é que nunca consegui lidar bem com o dinheiro e percebo que a minha geração – assim como as mais contemporâneas – padecem deste mesmo mal. Trago este tema porque as discussões em torno da reforma da Previdência despertam para a importância de cuidar bem da saúde financeira enquanto há tempo.

É algo fundamental para se envelhecer com alguma qualidade de vida. Porque ninguém será realmente independente se continuar a contar só com o Estado e a família na velhice.

Atualmente apenas 3% dos brasileiros aposentados conseguem se sustentar com recursos próprios, segundo estudo apresentado durante o Seminário Como Investir, do qual participei. O baixo percentual é justamente consequência da tal falta de educação financeira. Um problema que pode comprometer as conquistas das próximas gerações.

O alerta foi dado pelo economista e escritor Aquiles Mosca, do BNP Pariba Assent Management. Ele foi um dos palestrantes do evento, que aconteceu no dia 25, após o encerramento do 10º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimentos.

“A baixa taxa de poupança do brasileiro costuma ser justificada por ganhos insuficientes, mas a culpa não é da renda e sim do gasto.  Estamos vivendo mais e é preciso aprender a gerir bem as finanças durante a vida produtiva porque isso implica num desafio econômico maior para todos, não só para o governo”, disse.

Protagonismo para assumir o controle

O economista Martin Iglesias, do Itaú-Unibanco e vice-presidente do Comitê de Educação para Investidores da ANBIMA, concorda. Para ele, o primeiro passo para assumir o controle financeiro se dá com mudança de hábito.  “É preciso protagonismo”, disse. Assim, o primeiro gasto do mês deveria ser com a poupança. Só depois o custo de vida deve se adequar ao restante do orçamento.

A estratégia para criar um orçamento adequado foi destacada pelo escritor Gustavo Cerbasi, especialista em Inteligência Financeira. Ele demonstrou a importância de se manter um planejamento em que as despesas possam variar. “Um orçamento fixo não me dá margem de manobra caso ocorra algum imprevisto”, disse.

E imprevistos acontecem. Para lidar com eles, a Monja Coen sugeriu a prática da respiração consciente. Uma dinâmica postural que ajuda na reflexão e na tomada de decisões. “Não é errado obter lucro, mas é preciso avaliar para quê eu obtenho e como eu vou investir o que ganhei.”

E, então? Você  se considera um bom gestor de recursos? Sabe poupar? Melhor ainda: sabe gastar?

Se a resposta for sim, sinta-se parte de uma minoria. Sete em cada dez brasileiros não fazem reserva, mostra pesquisa recente da Serasa Experian. Ainda segundo o estudo, metade dos brasileiros desconhece as vantagens de guardar dinheiro. “Na história recente do país passamos por diversas crises econômicas e isso contribui para esse quadro”, avaliou o especialista Bruno Papi, fundador da escola de investimentos Criando Futuro.

Ele recorda que há algumas décadas apenas houve um confisco na caderneta de poupança, o investimento preferido da população. Por isso pouca gente confia nas instituições financeiras. E houve ainda quem precisasse abrir mão dos recursos guardados pelo desemprego.

O outro motivo é a cultura. “O brasileiro médio é naturalmente imediatista. Ele não quer abrir mão do prazer presente para obter um ganho futuro maior. Isso só mudará com bastante esforço dos educadores financeiros e com a mídia contribuindo para essa divulgação”, afirmou.

Custos maiores após os 50 anos

A situação piora para a população na faixa de 50+, que costuma poupar menos ainda. Isso porque hoje em dia é bem comum os filhos morarem com os pais e tornarem as contas mais altas do que os ganhos, além dos próprios gastos aumentarem com saúde e moradia.

Papi destacou ainda a importância de se poupar em todas as faixas etárias. “Quem começa primeiro sai na frente – e isso significa que quem tem de 50 anos para cima precisa planejar com mais cuidado”, afirmou.

Saia do lugar e dê o primeiro passo

Mas nunca é tarde para começar a guardar dinheiro. Por pior que seja o cenário será melhor poupar o que conseguir do que deixar nas mãos do acaso. “Atualmente encontramos em corretoras e pequenos bancos opções bem decentes, com baixo valor de investimento e segurança, como no Tesouro Direto ou em CDBs [certificados de débito bancário]. São bons primeiros passos para iniciar uma poupança”, sugere.

Os 3 principais desafios para guardar dinheiro são:

#Segurança

Entender os mecanismos financeiros e quais são as aplicações que funcionam melhor para você e seu objetivo, além de saber onde pode ou não haver perdas.

#Informação

Existem milhares de consultores e conteúdos na internet, além dos meios tradicionais, como os gerentes de bancos e as corretoras. É preciso compreender o básico para filtrar o que é confiável e evitar cair em armadilhas, inclusive da própria instituição financeira ou do assessor.

#Disciplina

Manter o foco e evitar gastos desnecessários não é fácil em nenhuma idade. Você precisa ter isso em mente e evitar sabotadores, porque vão surgir vários nessa nova jornada.

A maneira como cada pessoa lida com o seu dinheiro é muito particular. Daí a importância de fazer um planejamento!

Textos escritos originalmente para os portais da ANBIMA e do Instituto da Longevidade Mongeral Aegon.

Saiba mais em Sobrevivência da aposentadoria pede remédio amargo.

Veja também Aposentadoria: o melhor roteiro é o planejamento.

Author: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

One thought on “Longevidade do brasileiro implica num desafio econômico maior”

  1. I couldn’t refrain from commenting. Well written! It’s very straightforward to
    find out any topic on net as compared to books,
    as I found this piece of writing at this web page.
    I’ve been surfing online more than 3 hours today, yet I never found any interesting article like yours.

    It is pretty worth enough for me. In my opinion, if all website
    owners and bloggers made good content as you did, the net
    will be a lot more useful than ever before. http://nestle.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *