Quem vai definir sua versão centenária?

Meu humor é como uma montanha russa e se altera ao longo do meu dia. Imagina então como é esse processo durante toda a nossa existência. Existem crônicas, romances e teses que versam sobre a conexão entre as diferentes fases da nossa vida com os nossos estados de ânimo ou de desânimo. Especula-se que quanto mais velhos somos, mais estamos suscetíveis a apatia ou a depressão. Ou melhor, especulava-se.

Se dependesse só do tempo tudo seria melhor ao alcançar meio século de vida. É o que quer provar o pesquisador americano, Jonathan Rauch. Ele acaba de escrever um livro sobre o assunto, intitulado “A curva da felicidade: Porque a vida melhora após 50”.

O autor elaborou essa teoria a partir de uma série de experiências pessoais, dados de estudos e entrevistas a uma série de economistas, psicólogos e neurocientistas. Entre suas conclusões, destaca que a idade tende a favorecer a felicidade e que a crise da meia-idade não é motivada por nenhum fator em particular.

A passagem do tempo é a única razão, segundo a tese de Jonathan Rauch.

E a pesquisa diz ainda que nosso nível de satisfação cai entre 20 e 30 anos e atinge o nível mais baixo em 40. Agora, saindo da teoria para vida real, conversei esses dias com uma grande amiga, que largou tudo e foi mochilar pela Europa. Tema desta Casa na semana passada.

Rita Bragatto, minha amiga, é jornalista, psicanalista e montanhista. Vive com uma mochila e uma bicicleta pelo mundo. Acumula somente experiências, como ela mesma se descreve

Foi quando contei à RitaBragatto, jornalista e psicanalista, que assina o blog #AVidaChama – que seria a personagem perfeita se tivesse passado dos 50. Ela ponderou que só faltava um ano pra isso. Mas que também se sentia tão disposta quanto antes, apenas menos ansiosa com a vida.

Eu refletia sobre nossas ansiedades e urgências que ficaram para trás (e porquê não contar as experiências de menores de 50? ) quando me cai no colo o artigo da Eliane Brum, “Me chamem de velha”. Trata justamente desse policiamento com termos considerados pejorativos como velha, melhor idade e terceira idade…

E o que dizer então da quarta idade?  

Sim, ontem no banco, descobri que o termo se refere aos 80+, que passam a ter prioridade sobre os jovens 60+.

Neste jovem País de cabelos grisalhos ainda estamos aprendendo a lidar com a longevidade. E a única coisa que consegui concluir disso tudo é que não se pode classificar quem somos nem por termos, como coloca a Eliane, tampouco por números. Assim, 49+, 50+, 60+, 80+, também não define uma pessoa. Decidi adotar “maiores de”.

Foi quando me bateu aquela dúvida…

Quem vai se atrever a descrever a mulher de cem anos?

Depois da Mulher de 30, de Honoré de Balzac, as tais balzaquianas, grupo de mulheres maduras, o Mário Prata nos apresentou sua versão da mulher de 40.

A coisa evoluiu tanto que o próprio Prata pulou quatro décadas e escreveu sobre a mulher de 80.

Chegamos aos cem. E agora?

Eu tenho visto exemplos incríveis. E não se limitam às mulheres.  São também homens, como Moacyr Nunes Barroso. Mineiro, cujo torresminho feito na hora  e o carteado são os maiores prazeres.

Outra mineira de cem anos que serve de inspiração é a Laura de Oliveira, que bateu recorde de natação na sua categoria ao nadar a distância de 50 metros peito em 2m49s4.

Eu sempre me perguntei como seria chegar aos 50. Mas nunca antes na história desse País eu me imaginei aos cem.

Já parou para pensar que podemos todos chegar a um século de existência?

E como você quer que seja sua existência? Acho que é isso que vai determinar a satisfação ou a insatisfação.

Só sei que o que menos me importa é como vão me classificar. Velha, maior de idade, melhor idade, terceira ou quinta idade…Vai se saber até onde chegaremos, não é mesmo?

O que me importa de fato é estar lúcida para tomar as rédeas da minha vida sem pirar muito. E com autonomia e independência para ir e vir. Já terá sido um grande feito.

Author: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *