Tempo de (se) cuidar

Depois da Medeiros, descobri outra Marta que não sai do meu lado antes do sono chegar, entre os livros de cabeceira. Essa, de sobrenome Pessoa, é autora de “É Tempo de Cuidar – Eles Envelhecem: E Agora?”.

Buscando um texto que havia escrito para o Instituto da Longevidade sobre como algumas mulheres deram a volta por cima na idade e retornaram para a universidade após os 60, construindo não apenas uma nova carreira, mas uma nova vida, acabei encontrando a entrevista dela ao portal. Leia aqui

Ela conta a experiência com os pais idosos e como deixou de ser filha única para se tornar cuidadora única. Mas a solução encontrada nessa dinâmica foi abrir mão da carreira e gerenciar tudo a distância. Também tenho trocado muita figurinha com minha amiga e sócia Juliana Junqueira, que administra de São Paulo os pais em Guaratinguetá. Mas as idas e vindas da Ju nesse processo são constantes.

Organizar e reorganizar

No meu caso, eu precisei voltar a dividir o mesmo teto e a convivência não tem sido das melhores. Nem um de nós é fácil, claro. Cada um com suas particularidades. Talvez depois de organizar melhor a vida deles eu saia para reorganizar a minha, que virou de ponta cabeça.

Entrei em contato com a Marta pelo Facebook. Ela prontamente me aceitou e já trocamos algumas mensagens! Depois conto tudo aqui.

Do meu lado, o que tem sido mais difícil é estabelecer um diálogo com a minha mãe, que só sabe dizer que eu quero matá-la. Antes porque eu pegava no pé pela alimentação. Então o cardiologista alertou que o peso poderia, de fato, matá-la. Acabou chorarê.

Agora, o enredo da novela é a organização da casa nova. Eu quero me desfazer de toda quinquilharia acumulada em mais de 40 anos e todo dia é uma guerra. É tanta coisa inútil! E quase tudo desnecessário para duas pessoas que sequer tem dado conta de cuidar da própria saúde.

Paciência como aliada

Eu tenho consciência de que é preciso paciência. Muita. Mais talvez do que seja capaz de ter em toda a minha existência terrena. Tem me feito um mal tamanho essa situação. Talvez seja hora de retornar a terapia para melhor entender porque minha mãe é tão dramática e aceitar que ela vai reclamar para sempre e de tudo. Também para estar apta para o que vem pela frente. A tendência é só piorar, eu acho.

Não há um dia em que ela não lembre o quanto sofre desde que nasceu, porque a mãe, minha avó, morreu cedo e ela foi criada por uma madrasta terrível. Há aí certo trauma que carrega e desconta em nós, aqueles que a cercam. É claro que ela sofre e tem dores terríveis e constantes, mas não procura fazer para mudar seus hábitos e se ajudar.

Hora de mudar

De outro lado, entrevistei mulheres como Elice Dias Oliveira, de 66 anos, que voltou à rotina escolar e me mostrou que depende muito da força de vontade própria mudar o comportamento. “Resolvi fazer minha parte para enfrentar a maturidade em vez de ficar reclamando de dor na coluna”, contou.

Professora formada pelo extinto Curso Normal, ela lecionou durante 36 anos e, quando se aposentou, fez uma pós em pedagogia hospitalar, mas descobriu durante o estágio que não era sua praia.

Ponto positivo

Se escolher um curso superior ainda na adolescência é algo difícil, o que dizer de fazer faculdade depois dos 50 anos? Disciplina e força de vontade são requisitos fundamentais e a maturidade pode ser o ponto mais positivo de quem escolhe correr atrás desse e de outros sonhos, segundo Elice.

“Após participar de várias oficinas mais curtas, decidi ir além. Artes e esportes não me interessavam mais e optei pela seleção para gerontologia, que envolve muitas disciplinas de psicologia, um antigo desejo.”

Hoje cursando o primeiro ano no campus da USP Leste, ela avalia que embora gaste quase 6 horas no transporte público, a troca com a “moçada” compensa. “Tempo não me falta.”

Motivo para ação

Para a ex-executiva Patricia Martins de Andrade, 53 anos, a volta à universidade veio inicialmente como uma busca pela troca de carreira. Aos 46 anos e prestes a se aposentar, ela começou a amadurecer a ideia de cursar direito e prestar concurso para o Judiciário.

Formada em administração pela USP, ela decidiu buscar numa universidade privada a oportunidade. “A necessidade de dedicação é imensa e demanda uma disposição e tanto.”

Passaporte para novas conquistas

Hoje formada e com o crivo da Ordem dos Advogados do Brasil, ela revela seus outros planos. “As descobertas no meio do caminho me levaram a ter um novo propósito”, explica Patrícia, que está de partida para Portugal, onde obteve visto destinado para aposentados ou titulares de rendimentos próprios. “Pretendo morar e atuar como mediadora no ramo de conciliação privada.”

Na avaliação dela, fazer faculdade depois dos 50 anos não é para qualquer um. “É preciso ter um motivo para a ação, a tal motivação.” Assim, uma nova graduação ou qualquer outro curso só se justificaria dentro de um contexto maior. “É preciso ter alinhamento ao que você gosta.”

Author: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

3 thoughts on “Tempo de (se) cuidar”

  1. I do not even know the way I finished up here,
    but I thought this publish was great. I don’t recognize
    who you might be however definitely you’re going to a well-known blogger if you happen to are not already.

    Cheers!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *