Prontos para encarar a longevidade com independência financeira?

Rebecca Bloom é uma londrina com um péssimo hábito. É uma consumidora compulsiva. Apesar de ser jornalista especializada em mercado financeiro, não consegue controlar as próprias finanças. Qualquer coincidência é mera semelhança! Endividada até a alma, ela vive fugindo dos credores e criando fórmulas mirabolantes para pagar as contas. Esse é o enredo do livro  “Os Delírios de Consumo de Becky Bloom”, de Sophie Kinsell (Record, 2018), que também inspirou um filme.

E se as (os) Beckys da vida chegassem aos 50 com o mesmo comportamento?

É algo a se pensar já que o custo de vida, a partir de certa idade, tende a aumentar. E o que fazer para recuperar o tempo perdido e manter certa qualidade de vida após os 65, quando a baixa capacidade de gerar renda via trabalho declina? É do desejo de encontrar respostas para essa equação que nasceu a Bolso50+, startup ainda em fase de validação, mas que deve compilar dados interessantes sobre o comportamento financeiro dos maduros.

Para isso, seu fundador, Uri Levin, egresso da área de Investiment Bank, está à frente do projeto que especializa a gestão financeira para os maduros.  Assim, ele oferta uma primeira análise gratuitamente para quem deseja se organizar. “A ideia é criar uma base de dados para um aplicativo que ajude essa parcela da população a planejar um futuro mais tranquilidade”, conta.

É, de fato, algo que requer atenção.  Como já tratado aqui no artigo Longevidade do brasileiro implica num desafio econômico maior, é um planejamento essencial para não ficar dependente da ajuda de familiares, de amigos e até do próprio Estado. Assim, quanto antes se começar um programa de poupança, melhor.

Sabemos que é complicado guardar dinheiro com uma renda que, às vezes, mal cobre os custos mensais. E há de se levar em conta ainda que não são poucos os casos em que os papéis se inverteram e colocaram o aposentado como o único arrimo da família, diante do atual mercado de trabalho. Por isso, a ideia de Uri traz certa luz ao fim do túnel, ao encontrar brechas no orçamento, mesmo enxuto, para reduzir despesas fixas, além da educação para mudar os hábitos.

De grão em grão

Um exemplo clássico que ele cita, e que eu testei na prática, é a revisão do plano de celular. Ligar para as operadoras de telecomunicações, sempre exigiu muita paciência e certo jogo de cintura. Imagina, então, para quem desconhece o atendimento feito via Inteligência Artificial, que, na prática, ainda deixa muito a desejar diante das benesses todas prometidas pela tecnologia. Na minha experiência, a negociação com a operadora, resultou em maior velocidade de internet e redução de 50 reais na mensalidade. Ou seja, em 12 meses terei poupado 600 reais.

Mas para cortar gastos desnecessários é preciso, antes de tudo, detectá-los. É assim também com a nossa saúde financeira. Ao realizar essa avaliação, a gente se surpreende com o impacto que certos gastos desnecessários causam no orçamento.  

E tem muita coisa que dá para se abrir mão ou apenas deixar para depois.  Um jeito de, aos poucos, mudar aquele comportamento que ainda guarda resquícios de uma cultura de hiperinflação. Além disso, faz muito pouco tempo que as pessoas começaram a conscientizar sobre a velocidade da transição demográfica e se questionar sobre o que fazer com as dezenas de anos a mais de vida.

Acredito que pensar a respeito da longevidade envolve também uma maior consciência dos impactos e dos custos sociais e ambientais de tudo que consumimos no nosso dia a dia. Pode parecer pouco se analisado isoladamente, mas quando computado ao longo de uma vida é muito significativo.

O consumo consciente é um instrumento de bem-estar e não um fim em si mesmo. Parte da premissa de que devemos consumir para viver mais e não viver mais para consumir. É importante que os idosos, como consumidores, tenham claro o poder que tem ao fazer suas escolhas.

Author: Rachel Cardoso

Sou jornalista e filha única. Aficionada por Esporte e Saúde. Em mais de 20 anos de carreira fiz reportagens sobre diversos temas. Atualmente, colaboro com diversos canais digitais, todos ligados a temas deste Brasil Sênior. Também sou sócia-diretora na Tot Conteúdo Digital. Graças a esse histórico, pude mudar a direção da minha vida e estar perto dos meus pais para acompanhar o processo de envelhecimento deles. Esse blog é consequência disso. Escrever é uma paixão!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *